AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» Campanha: Ano Novo, Dívida Zero
» Comportamento.
» Comunicação
» Concurso Vitrine Premiada 2020
» Conselhos Úteis
» Consultas Boa Vista Serviço - SCPC
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Promoção Compre Aqui
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
Últimas Notícias


Publicado em: 08/09/2020

O gerenciamento de riscos financeiros é uma atividade própria da gestão empresarial. Quem está à frente de um negócio deve, necessariamente, cuidar desse aspecto.
Esse trabalho começa pela identificação dos tipos de riscos que, em sua maioria, estão relacionados ao comportamento dos agentes do mercado em que se atua, à política de crédito da empresa, e à sua gestão financeira de forma mais ampla.
Neste artigo, descrevemos quais são essas categorias de riscos, além de exemplificar como seu negócio deve ser gerido para evitá-los. Acompanhe.
Principais tipos de riscos financeiros

Riscos de mercado
Os riscos de mercado têm a ver com o comportamento de seus concorrentes, dos governos, dos consumidores, e de qualquer outro agente que possa exercer influência sobre o desempenho de sua empresa.
Imagine, como exemplo, que tenhamos um novo marco regulatório aprovado no Congresso para a atividade que sua empresa exerce. Para se adequar a essas novas regras, seria preciso investir em alguns setores da empresa, gerando custos não previstos em seu planejamento financeiro para os próximos períodos.
Outro exemplo de risco de mercado está ligado à atuação de outras empresas. Imagine que um concorrente lance um produto que você também ofereça, mas em uma versão mais barata e com novas funcionalidades. Certamente será preciso se organizar internamente para entender os impactos dessa mudança no mercado.

Riscos de crédito
O risco de crédito é uma espécie de avaliação de confiabilidade a qual a empresa é submetida para tomar empréstimos, fechar parcerias com fornecedores ou qualquer outro tipo de credor. Os bancos, em geral, têm seus próprios meios de fazer essas avaliações, enquanto grandes corporações contam com a ajuda de agências de rating.
É importante que as empresas se atenham a essas metodologias de avaliação para obter um bom desempenho e, assim, não enfrentar problemas para contratar crédito no mercado ou ser vista com desconfiança por parceiros e investidores.

Risco de liquidez
A gestão do fluxo de caixa de uma empresa deve ser muito bem monitorada para que as receitas e despesas possam ser compatibilizadas. Em outras palavras, é preciso ter dinheiro em caixa, sempre que necessário, para fazer frente a todos os custos com folha de pagamentos, aquisição de matéria-prima, impostos, entre outros.

A falta de liquidez a qualquer tempo, ainda que exista a expectativa de recebimento de novas receitas a curto prazo, pode significar a contratação de empréstimos a juros elevados ou pagamento de juros e multas contratuais sobre contas pagas em atraso.
Riscos operacionais
Os riscos operacionais, como o próprio nome indica, tem a ver com o gerenciamento dos processos de trabalho no âmbito de uma empresa. Tenha em vista que quaisquer inconformidades podem ameaçar o desempenho do negócio, tal qual um serviço prestado fora do padrão, o atraso no recebimento de determinado insumo, um pagamento indevido, entre muitas outras situações.

Como evitar riscos financeiros?
Depois de listarmos quais são os principais tipos de riscos financeiros, podemos falar, agora, sobre como evitá-los. Acompanhe.

Monitore seu fluxo de caixa
Boa parte dos pequenos negócios não costuma apresentar um planejamento financeiro consistente a médio e longo prazo. Isso acaba resultando em problemas com o fluxo de caixa, um dos riscos que listamos no tópico anterior.
Parte desse problema pode ser contornado com o monitoramento constante das entradas e saídas de caixa. Para isso, é preciso estabelecer um controle rigoroso sobre o cronograma de pagamentos, que sempre devem estar agendados para datas compatíveis com o fluxo de recebíveis.
E, claro, é muito importante contar com um capital de giro para fazer frente a despesas não programadas e cobrir qualquer frustração de receitas.

Renegocie dívidas
A atual crise desencadeada pela pandemia de coronavírus vem ameaçando a sobrevivência de milhões de micro e pequenos negócios. E a situação de endividamento de muitos, que já não era das melhores, agora, pode ter piorado bastante.
Para quem vem enfrentando esse problema, é preciso ter calma e resiliência para encontrar alternativas. Uma delas, sem dúvida, é a renegociação das dívidas.
Entre em contato com seus credores solicitando novos prazos, solicite novas condições para o pagamento, ou explore outras possibilidades que permitam honrar o compromisso firmado.

Acompanhe o comportamento do mercado
É absolutamente estratégico acompanhar o comportamento do mercado para o setor em que você atua. Como destacamos anteriormente, algumas mudanças podem ter grandes impactos, não somente financeiros, sobre a operação de seu negócio.
Uma nova lei, mudanças de comportamento dos consumidores, inovações nas estratégias de seus concorrentes – absolutamente tudo merece sua atenção.

Tome decisões baseadas em dados
Muitos empreendedores adotam um estilo de gestão baseado simplesmente em suas intuições e opiniões de terceiros. Certamente, essa não é a melhor abordagem, sobretudo quando falamos de riscos financeiros.
Antes de planejar qualquer ação, se faz necessário conhecer o desempenho contábil, financeiro, e orçamentário do negócio. Para isso, vale recorrer a especialistas e às demais lideranças da empresa.

Somente a partir de relatórios consistentes e da percepção da pessoa que está diretamente implicada na gestão financeira, é possível estar suficientemente informado para gerenciar riscos e tomar decisões.
Como você pôde conferir, são muitos os riscos associados à dimensão financeira de um negócio. E, mais que identificá-los, é preciso atuar ativamente para gerenciá-los e garantir um bom desempenho por parte da empresa.
Fonte: Sebrae


AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide