AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento.
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Consultas Boa Vista Serviço - SCPC
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
Últimas Notícias


Publicado em: 22/12/2019

As estatísticas sobre a mortalidade prematura das empresas -- segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), metade das empresas encerra as atividades após três anos de funcionamento -- são um alerta para os empreendedores que não querem compartilhar desse mesmo destino.

Para não cair em armadilhas que levam a dificuldades financeiras, é importante ter as contas na ponta do lápis, estar atento ao cenário econômico, ao mercado de atuação da empresa e às tendências de consumo. Adelmo Nunes, contabilista e diretor da Planned Soluções Empresariais, lista oito condições que podem comprometer a sobrevivência e dá dicas de como superar as dificuldades:

1. Estagnação ou diminuição das vendas


É o principal motivo de redução das margens de lucro e da queda do faturamento. Precisa ser identificada precocemente, por meio dos controles fiscais da empresa. Feito isso, é necessário entender onde está a falha de captação de novos clientes e criar estratégias para corrigi-la.

2. Precificação incorreta dos produtos/serviços

Os custos de produção precisam ser devidamente apurados antes de aplicada a margem de lucro nos produtos e serviços comercializados.

3. Falta de disciplina financeira

A gestão precisa ser profissionalizada. O caixa deve ser gerido diária e rigorosamente, milagres não acontecem. A exata previsão das saídas e a gestão das incertas entradas, combinadas com a fonte de financiamento escolhida, é medida fundamental.

4. Pós-venda deficitário


A percepção do cliente deve ser respeitada. Reclamações sobre problemas nos produtos e serviços precisam ser tratadas com atenção. Se o cliente perde a confiança no produto ou serviço, perde a confiança na empresa. Ter um SAC ativo é fundamental.

5. Falta de transparência
Na hora da venda, é importante oferecer o máximo de informações necessárias para que o consumidor faça uma compra consciente. Isso evita retrabalho.

6. Queda na produtividade

As operações da empresa precisam ser enxutas. Para tanto, é preciso avaliar se as tarefas estão se sobrepondo ou se há necessidade de refazê-las. Caso isso aconteça, o processo precisa ser revisto e ajustado.

7. Pagamento de contas em atraso

Quaisquer que sejam -- salários, impostos, fornecedores --, mostram que a empresa está em apuros e que o controle sistemático dos dados contábeis não têm sido uma prioridade. Será preciso renegociar dívidas e propor o parcelamento dos débitos, reduzindo ainda custos fixos.

8. Endividamento

Fazer uso do cheque especial ou utilizar linhas de crédito para manter a atividade é sinal de que a empresa precisa ser reestruturada. A manutenção de recursos onerosos de terceiros financiando a atividade deve ser temporária.


AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide