AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Consultas Boa Vista SCPC
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
Últimas Notícias


Publicado em: 08/12/2019

Em momentos de stress é muito comum que ocorram alguns conflitos. Isso acontece em família, entre amigos e também, obviamente, acontece dentro de uma empresa. Mas o que gestores em posições de liderança devem fazer quando funcionários de uma equipe entram em conflito? De acordo com o especialista em gestão de pessoas Alexandre Slivnik, o ideal é que o líder estabeleça o papel e responsabilidades de cada um no trabalho e busque entender todo o contexto para mediar o conflito.

"O chefe deve saber ouvir os dois lados sem tomar partido, pois o senso de justiça é o que deve prevalecer. Do contrário, todos os colaboradores podem se sentir prejudicados e não confiar mais na liderança", afirma Slivnik, que também é diretor da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD).

Embates de opinião sobre o trabalho são muito importantes e contribuem com o crescimento da organização, o conflito de ideia gera novas perspectivas e faz com que toda a equipe se sinta à vontade para expressar argumentos e saia da zona de conforto. A evolução é gerada a partir da diversidade de pensamentos, então um conflito, se bem mediado e nada agressivo, pode ser muito saudável.


No entanto, o especialista ressalta que alguns assuntos não devem ser discutidos dentro do ambiente corporativo. "Temas como política e religião normalmente são assuntos que as pessoas tomam como uma ideologia e estilo de vida. Muitos dos conflitos nas organizações partem dessas questões que não devem ser incluídas no dia a dia corporativo. Discutir futebol, política, religião ou outras paixões em que não há racionalidade pode ser extremamente prejudicial", Slivnik afirma.

Colocar isso como regra pode ser essencial atualmente, pois essas discussões podem acabar minando a energia da equipe e custar muito tempo, que é algo muito precioso para todos.

Uma das dicas é fazer avaliações de comportamento periódicas, que podem ajudar a identificar os problemas antes que eles se tornem embates mais calorosos. Conflitos são naturais dentro de um time, mas é preciso dar o feedback para os colaboradores antes que uma opinião se transforme em excessos, brigas ou até mesmo que se chegue às vias de fato, que é algo mais sério e pode acarretar a demissão dessas pessoas. Alexandre explica que se é algo recorrente, foi dado o feedback necessário e acontece pela terceira vez, talvez seja sim o caso de demitir os colaboradores envolvidos.

(administradores)
AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide