AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Últimas Notícias


Publicado em: 06/10/2017

Falar sobre dinheiro com as crianças não é uma tarefa fácil. Quem tem filho, neto ou sobrinho pequeno, certamente já se deparou com dilemas do tipo “Como explicar de onde vem o salário?” ou “Devo ou não dar mesada?”, entre outros que permeiam o universo de finanças em relação as crianças.

Denise Hills, superintendente de Sustentabilidade e Negócios Inclusivos do Itaú Unibanco, explica que boa parte do aprendizado dos pequenos vem da observação do comportamento dos adultos e nas interações do dia a dia.

“Essas situações acontecem o tempo inteiro e, muitas delas, envolvem o uso do dinheiro. Então, por que não aproveitar as oportunidades para compartilhar alguns aprendizados sobre como usar bem o dinheiro e o valor das coisas com as crianças? Pode ser mais fácil e prazeroso do que imaginamos”, diz.

E essa tarefa cabe mesmo à família, já que a educação financeira ainda não é uma realidade para a maioria das crianças e adolescentes brasileiros nas escolas.

Ensinar as crianças a ter uma boa relação com o dinheiro, fará toda a diferença na vida adulta e quando estiverem tomando suas próprias decisões, porque elas se tornarão mais seguros das suas escolhas no futuro. O ponto mais positivo dos ensinamentos vai muito além disso, pois o uso do dinheiro será apenas um, dentre muitos valores transmitidos.

O Itáu Unibanco preparou sete passos que podem ajudar nessa tarefa:

1. Falar de dinheiro ainda é tabu para boa parte dos brasileiros – mas é algo que precisa mudar. Dinheiro deve ser tratado como parte importante da vida, que ajuda a realizar sonhos e que precisa ser usado de forma consciente. Fale naturalmente com as crianças sobre escolhas, cuidado, consciência e, especialmente, sobre o bom uso daquilo que dá bastante trabalho para ganhar.

2. A partir dos 6 anos, a criança já é capaz de começar a cuidar do próprio dinheiro. Se puder, dê uma pequena semanada e explique quais gastos devem sair dali (lanche da escola, por exemplo). Se o dinheiro acabar antes, não faça adiantamentos ou complementos. A função da semanada é ensinar a preparar e cumprir um orçamento. No caso da mesada, especialistas recomendam a prática a partir de 11 anos.


3. Envolva os pequenos na lista do supermercado, pedindo ajuda a eles na hora da compra. É uma boa forma para ensinar sobre planejamento e escolhas conscientes.

4. Planeje com as crianças os objetivos em comum da família, como uma viagem de fim de ano. Envolva-as para ajudarem a poupar na conta de telefone ou de luz e usar as economias para atingir esse objetivo.

5. Quando for sacar dinheiro no caixa eletrônico e a criança estiver junto, explique de onde ele vem. Muitas crianças imaginam que vem da máquina, então é uma hora boa para explicar que é o resultado do seu trabalho, por exemplo.

6. Quando fizer uma compra no cartão, explique também como funciona! Fale sobre como você vai pagar, se vale a pena comprar agora ou esperar mais um tempo etc.

7. Para as famílias endividadas, a dica só falar com as crianças após um discurso pré-combinado. Os adultos precisam se acertar antes de conversar com as crianças e dar a eles a segurança que estão no controle.
AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide