AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Momento Empresarial



Publicado em: 18/08/2012

No meio empresarial, mais especificamente, nas pequenas empresas do segmento de comércio, sempre houve a história das “vaguinhas”. Trata-se de um processo corriqueiro e que, em via de regra, transforma-se em um problema para ambas as partes.

É comum um empresário ser abordado por aquele amigo de muito tempo, que também é seu cliente fiel há anos, com uma solicitação de trabalho para um filho ou uma filha em sua loja. A conversa é quase sempre a mesma. Que o filho cresceu, está estudando para ingressar nesse ou naquele curso e que ele gostaria que o mesmo já começasse a trabalhar para ganhar seu próprio dinheirinho, por isso está ali pleiteando uma vaguinha na sua loja. Pronto, está o surpreso amigo lojista encostado na parede.

Mesmo que este empresário estivesse necessitando de mais funcionários para compor seu quadro de colaboradores, não seria esse o caminho a ser traçado para a contratação e, possivelmente, não naquele momento.

É claro que ele começará a se perguntar: Como negar esse pedido ao meu amigo? Como dizer que não estou precisando contratar no momento? E uma série de duvidas, até que começa a pensar: Posso dar uma chance. Pode ser que dê certo. Assim ele conclui e comunica ao seu amigo a decisão. Na maioria das vezes, nessa hora, o problema e as confusões decorrentes acabam de começar.

Eu sempre digo que uma contratação de funcionários deve ser feita com base em critérios e etapas profissionais, isentos de paternalismos e protecionismos, pois, trata-se de um profissional que estará sendo introduzido na sua empresa, que deverá zelar pela sua imagem e estará constantemente diante de seus clientes. Por isso, o processo de contratação deverá ser criterioso, onde a pessoa contratada será aquela que tenha demonstrado qualidades, interesse real pela vaga oferecida e, acima de tudo, vontade e garra para crescer na profissão. O empresário tem a obrigação de saber separar amizade e negócio.

A empresa não é lugar para “bicos” e para pessoas que muitas vezes estarão lá contra a vontade e sem o menor interesse de exercer a função com o comprometimento necessário.

Sendo assim, espero que os amigos empresários não atendam a estes apelos de amigos e parentes e, não preencham as suas vagas com pessoas que não ofereçam a menor possibilidade de produtividade à sua empresa.

Além dos danos que, inevitavelmente, serão causados na empresa, ainda tem a questão do constrangimento e angústia perante os amigos quando do momento da necessária e contundente demissão do ocupante temporário da “tal vaguinha”, sem contar que irá ter que novamente abrir todo o processo de nova contratação.

Empresa é coisa séria. É a sua vida que está ali e, portanto merece ser tratada com respeito e com todos os cuidados pertinentes. Aliás, vem ai o natal. Você já avaliou com seu grupo sobre a necessidade de contratação de reforço para esta época de aumento de demanda? Você, empresário, já sabe quais as características necessárias para os ocupantes destas vagas? Já sabe para qual setor será contratado? E sobre o perfil e nível de conhecimentos necessários? Já fez uma previsão e provisão para o treinamento e adequação desse pessoal?

Há muito que ser feito para que se tenha êxito nessa tarefa, portanto, já deveriam estar em andamento os processos e trâmites. Uma boa sugestão, após a análise dos pontos acima indicados, é procurar pela sua associação empresarial, que certamente o ajudará nessa missão através de seus conhecimentos e cadastros internos de profissionais e aspirantes a emprego, divididos por área de atuação, características e perfis. Também é bom que se leve em consideração, a segurança e grande experiência que estas entidades possuem nesta área.

Boa sorte!







Luiz Antonio Farina Dias , Consultor Empresarial. Engenheiro, Economista. Pós Graduado em Gerência Empresarial pela FACESM. Pós Graduado em Qualidade e Produtividade pelo Departamento de Engenharia de Produção da UNIFEI. Mestre em Engenharia de Produção pela UNIFEI. Professor Universitário. Para falar com o autor, use o e-mail luizfarina@bol.com.br

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide