AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Comportamento



Publicado em: 07/09/2015

A comunicação verbal pode servir como estratégia de marketing pessoal no ambiente de trabalho. Usar expressões certas, nos momentos adequados, pode garantir uma boa impressão diante dos colegas e superiores. Escolher as palavras "erradas", por outro lado, pode prejudicar sua carreira.

Algumas palavras podem passar a impressão de que você não está seguro do que está dizendo ou do que quer fazer. Começar uma frase pedindo desculpas, por exemplo, não transmite muita confiança.

O site Fast Company compilou uma lista de palavras e expressões que devem ser evitadas, de acordo com Deborah Tannen, professora de linguística da Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos.

As que expressam dúvidas

Algumas palavras e expressões como "talvez", "um tipo de" e "meio que" não passam a noção de certeza e podem gerar dúvidas sobre a sua confiança naquilo que está sendo dito. Ao deixar de transmitir total autoridade sobre a informação que está sendo dada, você abre espaço para questionamentos. "Será que ele(a) sabe mesmo do que está falando?" ou "Será que ele(a) vai dar conta desse projeto?"

As que interferem na força do significado

"Só" ou "apenas" são palavras que minimizam sua imposição sobre determinada ação, segundo Tannen. Ao dizer “Eu só quero que você faça isso”, você passa ao interlocutor a impressão de que o fato não é tão importante ou que o comando não merece ser tão respeitado.

As que preenchem espaços no diálogo

Estamos falando de expressões ou sons como "né", "ahn" e "hum", entre outras, que são comumente utilizadas para não deixar "vazios" no diálogo -- e geralmente são ligadas à organização de um pensamento. O problema, segundo Tannen, é que ao serem usadas constantemente dão ideia de insegurança, como se você não tivesse argumentos para defender uma ideia ou pensamento. Ou pior: você foi pego de surpresa e está tentando emitir uma opinião para a qual não está preparado.

Também ser apagadas no dia a dia.




notícias da mídia Notícias pesquisadas em jornais e sites.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide