AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
Comportamento



Publicado em: 20/11/2018

Nove e meia da noite, às escuras, conectada com meu corpo e em calma, trato de não me aferrar a nenhum pensamento, mas penetra na minha mente a lembrança de como cheguei às minhas aulas de ioga.

O corpo avisa quando parar, mas um elevado nível de autoexigência e o sentimento de culpa que muitas vezes nos invade quando somos mães decidiram não me dar esse luxo. Então chego a esse dia, no consultório do médico, em que percebi que após vários anos de maternidade tinha me esquecido de mim mesma e, o pior de tudo, de minhas próprias necessidades.

Que a maternidade esgota não é nenhum segredo, mas apesar de parecer ter chegado ao limite demorei muito para entender que há uma regra básica que não podemos ignorar: É PRECISO CUIDAR DE SI PARA PODER CUIDAR DOS OUTROS.


Durante os primeiros anos de criação, isso é uma missão quase impossível, mas ao mesmo tempo costumam ser os anos mais exaustivos e nos quais mais precisamos dedicar atenção ao autocuidado, e acabamos imersas em um círculo vicioso do qual é difícil sair.

Muitas mães nos esquecemos de tudo isto quando chegamos em casa pela primeira vez com nosso bebê. É importante se libertar da culpa, porque há muitas boas razões pelas quais precisamos cuidar de nós mesmas:

- Porque uma mãe feliz tem filhos felizes.

- É mais fácil ter paciência quando se está em sintonia com seu corpo e mente.

- Custa menos agir com calma quando os conflitos não nos dominam. Ajudar as crianças a canalizarem suas emoções é mais simples e evitamos entrar no seu caos.

- É mais fácil que seus filhos lhe respeitem se você mesma se respeita. Isso nos devolve a confiança e a autoestima, e nos empodera.

E poderia enumerar mil outras razões, mas não é preciso: “Simplesmente porque merecemos”.

E então, por onde começo?

Faça uma lista em que possa escrever tudo aquilo que a faz se sentir mal, e outra com tudo aquilo que faz você se sentir bem; rasgue a primeira e substitua tudo isso por aquelas coisas que algum dia deixou de fazer, RECUPERE pouco a pouco seu bem-estar.

- Praticar exercício físico.

- Sair com seu cônjuge para jantar quando for possível.

- Sair com amigos.

- Passear pelo campo

- Simplesmente dançar.

Muitas destas coisas poderiam estar na sua lista, e ainda estará pensando num jeito de arrumar tempo para elas, mas cuidar de si mesma e se manter em calma também é possível adotando pequenos gestos com nós mesmas: hidratar-se, praticar alguns minutos de respiração consciente (relaxa e oxigena a mente), escutar música (gera biorritmos positivos e muda o estado de ânimo), tomar um banho prolongado.

Às vezes não damos conta de tudo, e TUDO BEM, tenha consciência disso e corrija antes que seja tarde, REVEJA se você é parte de alguma das prioridades de seu dia a dia. Ame a sua família, respeite e cuide de seus amigos e cônjuge, mas sobretudo cuide e respeite de si mesma.

RUTH ALFONSO ARIAS é educadora certificada de Disciplina Positiva na Espanha e mãe de três filhos.


notícias da mídia Notícias pesquisadas em jornais e sites.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide