AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Comportamento



Publicado em: 29/07/2017

Um estudo publicado pela Flurry, empresa de análise de dados do Yahoo!, revela que existem mais de 280 milhões de pessoas viciadas em smartphones no mundo. O estudo considera usuários viciados aqueles que checam aplicativos mais de 60 vezes por dia. As categorias mais utilizadas por esse público são mensagens instantâneas e redes sociais. Outro estudo feito pelo Bank of America mostrou que 71% das pessoas dormem com seus celulares ao lado.

O uso constante da tecnologia não é, por si só, um problema. O transtorno acontece quando a utilização excessiva começa a atrapalhar atividades do dia a dia e a vida social das pessoas.

O afastamento de amigos e familiares e o isolamento progressivo são sintomas que devem ser observados. De acordo com a psicóloga Dora Sampaio Góes, do Programa de Dependências Tecnológicas do Hospital da Clínicas de São Paulo, há diferença entre usar bastante e ser dependente da internet.

A especialista explica que há oito critérios para identificar que há algo errado. É necessário apresentar um conjunto deles (pelo menos 5) para que seja caracterizada a dependência:

1. Pensar o tempo inteiro em estar conectado;

2. Sentir necessidade de aumentar o tempo de uso para obter o mesmo prazer;

3. Tentar parar de usar a internet e não conseguir;

4. Sentir irritação e ansiedade durante o tempo que não pode entrar na internet;

5. Mudar o humor quando entra em contato com a tecnologia;

6. Perder a noção do tempo que fica conectado e não conseguir sair;

7. Ter o trabalho e as relações familiares e sociais em risco pelo uso excessivo;

8. Mentir para as pessoas sobre o tempo que fica conectado.

Para a psicóloga, a internet funciona como um antidepressivo para os dependentes:

É um prozac virtual. A pessoa fica mais calma, sente mais alívio e um prazer muito grande quando está em contato com a tecnologia.
Muitas pessoas podem ter essas sensações e não se enquadrarem no perfil de dependência. É preciso ficar atento quando há perda de controle, como abrir mão de atividades do dia a dia, colocar em risco o trabalho, os estudos e as relações interpessoais.

Outra diferença entre usuários saudáveis e usuários dependentes é a habilidade de aproveitar momentos e pessoas da vida real. Pessoas sadias conseguem desfrutar de atividades que envolvem interação presencial com o outro, já os dependentes da tecnologia encontram dificuldades.

"Os usuários sentem mais prazer na tecnologia do que em outros setores de sua vida. A quantidade de likes tem um peso muito maior para o dependente do que para outras pessoas, assim como a experiência de prazer", explica Góes.

Para o pesquisador Eduardo Guedes, diretor do Instituto Delete, que trata de dependentes de tecnologia no Rio de Janeiro, o que define a dependência não é o tempo que a pessoa fica conectada, mas o nível de perda de controle.

Os especialistas do instituto dividem os usuários em três tipos: consciente (pode usar pouco, moderadamente ou muito, mas o virtual não atrapalha o real), abusivo (usa muito, e o virtual atrapalha o real) e abusivo dependente (além de o virtual atrapalhar o real, existe um nível de perda de controle).

Os gatilhos que fazem os usuários buscar a internet como refúgio são situações de desavença familiar, de grande frustração e de fracassos. Pessoas tímidas, com ansiedade social e que têm dificuldade de interação, também são mais inclinadas a desenvolverem dependência, assim como aqueles com maior propensão a ter depressão.

O pesquisador afirma que a dependência de internet é muito parecida com o vício em álcool e cigarro e que a abstinência pode gerar agitação, irritabilidade e ansiedade, podendo até o usuário tornar-se agressivo.

Como saber se você está perdendo o controle?

Guedes explica que existem cinco dimensões que medem o nível de perda de controle:

1 - Excitação e segurança – Utilizar a tecnologia como refúgio de falso prazer e segurança;

2 - Tolerância – Se você não viaja para lugares em que não tem conexão com internet;

3 - Relevância – Se você acorda e já olha o celular, leva para o banheiro, para o almoço, etc;

4 - Abstinência – O que sente quando não está conectado: instabilidade, ansiedade, mau humor, angústia, tristeza;

5 - Conflitos na vida real – Perda de rendimento no trabalho ou nos estudos

"Falar de si gera prazer. Numa conversa normal, você fala de você 30% do tempo. Numa rede social como Facebook, você fala de si 90% do tempo e tem um feedback instantâneo, porque alguém comenta, alguém curte", explica Guedes.

Os especialistas ressaltam que não há problema em ter prazer com a internet; o que não pode é substituir o real pelo virtual.

Quando o virtual passa a atrapalhar o real, pode gerar isolamento e desprezo pelas relações interpessoais. É neste momento que a pessoa precisa de um tratamento.




notícias da mídia Notícias pesquisadas em jornais e sites.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide