AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Comportamento



Publicado em: 07/04/2017

O analista da Embrapa Gustavo Porpino identificou cinco perfis de consumidores no Brasil e nos Estados Unidos durante pesquisa na Universidade de Cornell, em Nova York

Qual o seu perfil?

Porpino estabeleceu cinco perfis de mães responsáveis pela alimentação de suas famílias, após comparar o comportamento de consumidores de baixa renda no Brasil e nos EUA:

Mães carinhosas

Elas adoram prover a família e alimentá-la como forma de demonstrar afeto e cuidado.

Acabam se excedendo na compra de guloseimas e das chamadas comfort foods (com valor sentimental ou nostálgico e quase sempre com alto nível calórico).

Sua família belisca muito entre as refeições e isso acaba por aumentar a quantidade de alimentos que sobram do jantar, de acordo com Porpino.

"Que tal um lanchinho?", é a pergunta que melhor define essas mães.

Cozinheiras abundantes

Essas mães costumam preparar grandes porções de alimentos.
As cozinheiras abundantes valorizam a fartura à mesa, por status ou hospitalidade.

A mesa farta seria uma maneira de demonstrar que problemas econômicos não abalam a família ou um meio de dar boas vindas a quem chega de surpresa.

Sua frase típica: "É melhor sobrar comida do que faltar".

Desperdiçadoras de sobras

Elas valorizam o que consideram "comida fresca", preparada diariamente.

Reaproveitar alimentos não faz parte dos seus hábitos.

Os dias em que mais jogam sobras fora são as quintas e sextas-feiras. Isso porque os fins de semana são de reunião da família e a refeição tem de ser farta e especialmente preparada.

"Comer o que sobrou de ontem é muito mesquinho. Prefiro o arroz fresquinho", é o lema das desperdiçadoras de sobras.

Procrastinadoras

As procrastinadoras guardam as sobras de comida na geladeira.

O pesquisador da Embrapa constatou que elas fazem isso mesmo sabendo que provavelmente o que sobrou não será consumido posteriormente.

Na sua geladeira há vários potinhos, panelas e recipientes com restos. Mas eles acabam mesmo no lixo.

Estas mães têm um forte sentimento de culpa que as faz pensar algo como: "Jogar comida fora em um mundo com tanta gente faminta é pecado. Tenho que guardar o que sobrou".

Mães versáteis

Elas fazem alimentos em menor quantidade e reinventam pratos a partir do que sobrou.

Também planejam a compra dos alimentos.

A quantidade de comida que vai ser preparada é cuidadosamente calculada.

"O arroz que sobrou vai virar um ótimo risoto e as sobras dos legumes podem se transformar numa fritada", costumam dizer as mães desse grupo, que também se destacam pela criatividade.


.
Brasileiras x americanas

Ao comparar os grupos pesquisados no Brasil e nos Estados Unidos, Porpino constatou que as brasileiras são majoritariamente desperdiçadoras de sobras (42%), enquanto o perfil mais comum entre as americanas é o das cozinheiras abundantes (30%).

Entre as brasileiras, o segundo perfil mais corriqueiro é o das cozinheiras abundantes (21%).

As versáteis aparecem em terceiro lugar, com 17%, e as mães carinhosas representam apenas 8%.

Ao analisar as americanas, Porpino verificou um empate, no segundo lugar, entre as mães carinhosas (20%) e as procrastinadoras (20%).

No terceiro lugar, outro empate: versáteis e desperdiçadoras de sobras, com 15%.



notícias da mídia Notícias pesquisadas em jornais e sites.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide