AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Comportamento



Publicado em: 24/02/2017

Ter um relacionamento amoroso de muitos anos pode mudar a maneira como você vê o mundo, e seu parceiro também muda um pouco você. Mais importante ainda: essa ligação pode trazer uma maneira inteiramente diferente de pensar e agir.

É o que diz o especialista em psiquiatria e psicologia Joshua Wolf Shenk, autor de "Power of Two: Finding the Essence of Innovation in Creative Pairs" (Poder de dois: Encontrando a Essência da Inovação em Pares Criativos, em tradução livre), que aposta até na existência de uma "mente compartilhada".

Como funciona esse conceito? O site Business Insider foi atrás de sinais que os especialistas observam em casais juntos há muito tempo. Será que você e seu parceiro estão em total sintonia?

Idioma próprio

Essa linguagem "privilegiada" é um dos primeiros sinais de que os dois estão operando em sincronia, escreveu Shenk. De acordo com um estudo de Robert Hooper, professor de comunicação da Universidade do Texas, a comunicação secreta promove duas coisas: ajuda a aprofundar o vínculo - romântico ou platônico - e estabelece uma identidade única e compartilhada.

E a linguagem íntima pode incluir tudo, desde piadas internas até apelidos, É o que garante Carol Bruess, psicóloga da Universidade Estadual de Ohio, em seu estudo sobre casais românticos. A pesquisa sugere uma ligação entre a frequência com que os parceiros usam essas palavras entre si e a satisfação com o relacionamento: quanto mais frequente o uso de frases "secretas", mais felizes eram os casais.

Zero autocensura

A forma como a maioria de nós fala com estranhos, conhecidos e até amigos próximos é bem diferente do modo como nos comunicamos quando estamos sozinhos com o nosso parceiro. Isso porque, com os "outros", a maioria de nós possui um "autocensor".

Ou seja: tentamos agradar as pessoas ao redor, adaptando nosso comportamento para atender ao deles. Contudo, quando estamos ao lado de um parceiro íntimo, passamos a falar "fluída e naturalmente", escreveu Shenk.

Dessa forma, deixamos de pensar muito antes de falar, nos tornando mais francos e abertos. Muitos dos casais que Shenk fala em seu livro possuem esse tipo de relacionamento.

Mesmos movimentos

Pesquisas sugerem que os casais são mais propensos a espelhar a linguagem corporal uns dos outros - o que por sua vez os faz parecer iguais - porque eles estão extraindo uma riqueza de conhecimento que apenas eles compartilham.

Essa "informação privilegiada" - todas as suas experiências e memórias - reflete em seus gestos e postura, além de palavras e frases que os dois só usam entre eles.

Um estudo de 2007, por exemplo, descobriu que as pessoas eram mais propensas a copiar o olhar do outro olho quando ambos ouviam a mesma informação em uma conversa com terceiros.

Discurso parecido

Além de ter seu próprio vocabulário privado, casais de longo prazo, eventualmente, "começam a corresponder entre si nos ritmos básicos e estruturas sintáticas de seu discurso", escreve Shenk.

Parte disso é resultado de um fenômeno que os psicólogos chamam de "contágio emocional". Basicamente, quando duas pessoas passam bastante tempo juntas, elas começam a corresponder os padrões de fala. Nós imitamos tudo, desde o sotaque da outra pessoa até a quantidade e duração das pausas que ele ou ela coloca entre palavras e frases.

Há alguma evidência que sugere que esses padrões de comunicação podem até servir como um indicador de quanto tempo um casal pode ficar juntos. Parte de um estudo de 2010 sobre o uso da linguagem entre casais analisou suas mensagens de texto.

Eles descobriram, por exemplo, que quando duas pessoas "soavam" mais parecidas - em termos de palavras e estrutura de linguagem que utilizavam em suas conversas - era mais provável que estivessem juntas três meses mais tarde.

Parecem irmãos
Em seu influente estudo de 1987, o psicólogo Robert Zajonc descobriu que há uma razão muito óbvia sobre o fato dos casais começarem a "se parecer". Segundo ele, isso acontece porque ambos usam os mesmos músculos tantas vezes que, com o tempo, eles passam a se espelhar.

Esta coordenação do movimento não é acidental, diz Shenk. Em vez disso, ela "reflete o que os psicólogos chamam de" estrutura de coordenação compartilhada ", que inclui como harmonizamos nosso olhar e corpo, além dos pequenos maneirismos e idiossincrasias de como falamos.




notícias da mídia Notícias pesquisadas em jornais e sites.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide