AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
comunicação



Publicado em: 22/10/2015

Escrever de maneira correta, clara e objetiva tornou-se uma nova preocupação para o profissional que deseja se destacar no mercado. Os e-mails passaram a ser uma das principais ferramentas de comunicação no trabalho. Além deles, textos empresariais como relatórios, atas e contratos não deixaram de existir.

Todos esses meios têm como objetivo a transmissão de mensagens e fazem uso da linguagem para serem eficientes. “O interlocutor tem que entender sua mensagem sem ficar com alguma dúvida”, diz Rosângela Cremaschi, consultora da RC7 Consultoria Empresarial e Educacional e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. “Vá direto ao assunto. Sem rodeios e linguagem prolixa. Agilidade significa produtividade, que significa lucro.”

Além de clareza e objetividade, a comunicação depende de coerência e coesão. O primeiro refere-se à harmonia na sequência de ideias apresentadas no texto; o segundo, à conexão entre suas partes através de "palavras ou expressões que estabeleçam a transição de ideias, como pronomes, advérbios e conjunções".

O uso correto da língua também é fundamental. Grafia, pontuação e concordância devem seguir as regras gramaticais da norma culta. Erros como a separação de sujeito e verbo com uma vírgula demonstram desconhecimento do próprio idioma.

O Novo Acordo Ortográfico vigente no Brasil desde 2010 tornou ainda mais importante a atualização do profissional em relação à língua que utiliza todos os dias. Pontos específicos de acentuação e separação de palavras com hífen, por exemplo, foram alterados e a reciclagem do idioma é a única forma de manter-se de acordo com a norma culta. Rosângela defende que devemos estudar as novas regras. “Não é um bicho de sete cabeças, não houve mudanças em todos os conteúdos.”

Abaixo, confira três dicas da consultora para fazer um melhor uso da linguagem no ambiente de trabalho:

1. Revise seu texto e coloque-se no lugar de quem vai lê-lo -

Revisar o texto é perceber se a mensagem está clara e será compreendida integralmente por seu interlocutor. Faça um teste. Escreva um e-mail importante, mas deixe para enviá-lo somente no dia seguinte. Ao reler, talvez perceba que o texto está confuso ou que falta alguma informação necessária. Isso acontece porque, quando escrevemos, as ideias estão muito claras em nossa mente. Quando invertemos o papel de emissor para receptor, muitas vezes percebemos que a mensagem está confusa ou incompleta. Por isso, é importante, mais do que reler o texto, mudar o olhar para se colocar no lugar do leitor.

2. Não deixe as dúvidas passarem -

É comum as pessoas relatarem que, quando se deparam com uma dúvida, mudam a frase para evitar determinada construção. Nesse momento, foi desperdiçada uma grande oportunidade de aprendizado. Quando questionamos a escrita de alguma palavra, o uso de determinada expressão, ou ainda a construção de uma frase, essa é a melhor hora para consultar materiais que temos à mão, tirar nossas dúvidas e nos certificar de que estamos escrevendo de maneira correta.

3. Não tenha medo de errar -

Arrisque novas formas de escrever seus textos, brinque com as palavras, faça novas construções... Considere o erro como trampolim para o acerto. Ao escrever de forma criativa e inovadora, você cria um estilo próprio de escrita e faz a diferença no universo corporativo.


notícias da mídia Notícias veiculadas na mídia impressa

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide