AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
comunicação



Publicado em: 16/12/2015

‘Ciberenjôo’ não faz parte do plano da sua operadora, né?

Somos maiores e mais fortes que nossos celulares, mas ainda assim eles podem nos machucar.

Os riscos do uso excessivo dos celulares costumam estar ligados a felicidade, relacionamentos e autoestima; raramente consideramos os riscos físicos associados aos nossos aparelhos digitais.

Mas é muito fácil cair na armadilha dos maus hábitos do uso da tecnologia, seja se curvar para digitar ou passar muito tempo olhando para a tela.

Há evidências de que seu telefone pode te deixar até mesmo enjoado: o The New York Times recentemente chamou a atenção para o “ciberenjôo”, uma condição em que algumas pessoas se sentem nauseadas só de usar o celular.

Veja abaixo oito sintomas físicos reais do uso excessivo da tecnologia. Lembre-se deles toda vez que estiver ligado no seu smartphone.

abuso do celular

1. Ciberenjôo

Também chamado de “enjôo de movimento digital”, tem sintomas que vão de dor de cabeça a náusea na rolagem da tela do smartphone ou assistindo a vídeos com muita ação.

A sensação é causada por um descompasso entre os sinais sensoriais, disse ao The New York Times Steven Rauch, diretor do Centro de Olhos, Ouvido e Equilíbrio de Massachusetts e professor de otorrinolaringologia da Escola de Medicina de Harvard.

“O senso de equilíbrio é diferente dos outros sentidos pois ele depende de vários sinais”, disse ele. “Quando esses sinais não estão de acordo entre si, a pessoa sente tontura e náusea.” Em outras palavras, você tem um “conflito sensorial” quando vê um movimento mas não o sente.

Essa versão digital do enjôo de movimento pode acometer qualquer pessoa, mas estudos indicam que as mulheres têm maior propensão que os homens. Pessoas que têm histórico de enxaqueca também são mais suscetíveis.

2. Garra de mensagem de texto



Quem digita demais no celular pode sofrer desse problema, que nada mais é que dor e cãibras nos dedos, pulso e antebraço. Qualquer atividade motora repetida muitas vezes pode causar dores nos tendões e músculos, então esse tipo de sensação pode ser esperada se você não largar o telefone.

Não há muito o que fazer para evitar a dor (a não ser parar de usar o celular!), mas há maneiras de aliviá-la. Alongar e massagear a mão ajuda, assim como fazer um tratamento alternando frio e calor.

3. Vista cansada

Você olha para telas por horas a fio? Se estiver lendo esse texto, é bastante provável.

Qualquer atividade que exija o uso dos olhos – incluindo dirigir, ler e escrever – pode causar fadiga nos olhos.

Olhar durante muito tempo para telas pode ressecar os olhos e provocar dor de cabeça e fadiga – o que, por sua vez, vai afetar sua produtividade. Na maioria dos casos a vista cansada não é um problema sério, e o remédio é apenas fazer pequenas pausas periódicas.

Os especialistas recomendam pausas a cada 20 minutos. Durante 20 segundos, olhe para a sala ou pela janela. Se sentir os olhos muito secos, algumas gotas de colírio resolvem.

4. Pescoço de mensagem de texto

Semelhante à garra, o pescoço de mensagem de texto – desconforto no pescoço e na coluna – se manifesta quando você passa longos períodos olhando para baixo.

“É uma epidemia ou, pelo menos, é um problema muito comum”, disse ao The Washington Post Kenneth Hansraj, chefe do departamento de cirurgia espinhal do Centro de Cirurgia e Reabilitação Médica da Espinha, de Nova York. “Olhe à sua volta, todo mundo está com a cabeça abaixada.”

Certamente vivemos uma época de obsessão com nossos smartphones. E, segundo os cálculos dos especialistas, o ângulo em que curvamos nossa cabeça exige que a espinha sustente um peso de cerca de 27 quilos.

Esse hábito pode obrigar jovens a procurar cuidado especializado muito mais cedo que o normal. Quando estiver usando o celular, preste atenção e não baixe demais a cabeça.

5. Vibração fantasma



Se você já achou que seu telefone estava vibrando no bolso, sabe do que estamos falando.

O fenômeno é incrivelmente comum: um estudo de 2012 indicou que 90% dos universitários já tinham sentido essa vibraçãofantasma . Quem tem essa sensação com frequência pode ter algum tipo de comportamento compulsivo ou sintomas de ansiedade.

A melhor maneira de evitar essas sensações desagradáveis é dar um tempo do telefone. A maioria das pessoas está com o celular ao alcance da mão o dia todo, mas ele não é necessário para a nossa sobrevivência.
Considere agendar algumas horas por dia para ficar completamente offline, e reserve espaços da casa onde o telefone não entra. Assim, o fantasma vai ficar bem longe dos bolsos da sua calça.

6. Esperma danificado

O calor dos laptops pode danificar o esperma, segundo algumas pesquisas.

Um estudo publicado na revista Fertility and Sterility apontou que amostras de esperma armazenados sob um laptop tinham menos motilidade (ou seja, menos capacidade de se movimentar) e poderiam ter danos no DNA – ambos os fatores podem representar riscos reprodutivos.

7. Acidentes na calçada

As mortes de pedestres estão aumentando porque cada vez mais pessoas caminham distraídas pelo celular.

Os pesquisadores afirmam que as pessoas que caminham distraidamente demoram mais para atravessar a rua, têm maior propensão a ignorar semáforos e menor propensão a olhar para os dois lados da rua. As regras de segurança básica do pedestre são vítimas da tecnologia, e os riscos são assustadores.

Para evitar acidentes, deixe o celular guardado até estar em um lugar seguro.

8. Comer demais



Não é necessariamente o telefone que te leva a comer demais, mas sim a pornografia gastronômica.

Pesquisas mostram olhar para fotos de comidas calóricas pode provocar fome ou levar as pessoas a comer mais que o necessário.

Se você já caiu nessa armadilha, considere dar unfollow naquelas contas que só postam imagens irresistíveis.



notícias da mídia Notícias veiculadas na mídia impressa

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide