AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
Finanças ao seu alcance



Publicado em: 18/02/2018

A proposta de um novo crediário para reduzir o peso do parcelado sem juros e diminuir o prazo de pagamento a lojistas que aceitam cartões coloca, novamente, grandes empresas e novos players do setor em lados opostos.

Em jogo. As empresas ligadas aos maiores bancos, representadas principalmente pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), defendem o “novo crediário” como proposta ao Banco Central para pagar os lojistas em menos dias, tirando o Brasil da condição de único mercado em que o varejo só recebe o pagamento com cartão de crédito após 30 dias.

Enquanto isso, os novos adquirentes, que formam a Associação Brasileira das Instituições de Pagamento (Abipag), têm na antecipação de recebíveis sua principal fonte de receitas.

Se o novo crediário pegar, isso vai para o espaço, porque já nascerá no formato de até D+5 – ou seja, pagamento ao estabelecimento em até cinco dias -, contra o atual D+30 praticado pelo setor como um todo.

Reação. As empresas menores do setor fizeram uma ofensiva com publicidade neste final de semana com as chamadas “Quem paga a conta é você!” e “Só os bancos ganham”, em oposição às grandes instituições financeiras.


mídia notícias da mídia

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide