AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Finanças ao seu alcance



Publicado em: 16/03/2017

A falta de correção na tabela do Imposto de Renda faz com que o contribuinte pague mais imposto do que no ano anterior, e 800 mil pessoas que não deveriam ser descontadas entram nessa mordida do Leão do IR.

De acordo com levantamento do Sindfisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal) a defasagem representa uma "bocada" e tanto no bolso dos trabalhadores: 83%.

"Se a tabela fosse corrigida pela inflação, muita gente que paga imposto hoje ficaria isenta", alerta Claudio Damasceno, presidente do sindicato.

Ainda segundo ele, caso o governo aplicasse a correção de 83% a faixa de isenção saltaria de R$ 1.903,98 para R$ 3.460,50. Cálculos feitos pelo Sindifisco mostram que os trabalhadores que recebem entre esses dois valores não deveriam pagar IR.

"Ao não fazer a correção da tabela, o governo cobra Imposto de Renda de quem deveria ser isento", alerta Damasceno. E acrescenta: "A cada ano, o contribuinte está pagando mais IR porque as correções não recompõem as perdas de duas décadas. É preciso reajustar a tabela para que a defasagem não funcione como um mecanismo de injustiça tributária".

A afirmação do presidente do Sindifisco encontra coro na Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade). "Praticamente estamos pagando o dobro de Imposto de Renda.

O governo está pensando em corrigir o IR em 5%, mas somente em 2017, então, infelizmente, não terá nenhum alívio para a declaração do ano base de 2016", alerta Roberto Vertamatti, que é diretor da Anefac.

Já Luiz Antonio Benedito, diretor jurídico da Unafisco (Associação Nacional dos Auditores da Receita Federal), pondera que quando o governo corrige a tabela ele faz uma tributação mais justa. "E é justamente isso que não está ocorrendo. Sem a correção, o governo está 'disfarçadamente' aumentando o imposto", defende.


mídia notícias da mídia

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide