AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Vida saudável



Publicado em: 29/07/2015

Gastrite: evite esse desconforto


Após os 40 anos, o estômago do ser humano passa por algumas mudanças estruturais e isso pode gerar uma gastrite. “Essa inflamação causa dores e uma sensação de queimação muito desagradável que, se não tratada, pode evoluir para uma úlcera. Por isso, não devemos nos acostumar com essa dor, mas dar a ela a devida atenção para que o problema não se agrave”, explica Giovana Morbi, nutricionista clínica e ortomolecular, especialista em nutrigenética e nutrigenônica.

Por isso, fique atento aos seguintes sintomas:

· Eventuais náuseas;

· Dor e desconforto no estômago;

· Sensibilidade estomacal;

· Queimação;

· Mal-estar.

Alimentos que previnem

Fazer algumas mudanças simples na alimentação e no preparo dos alimentos pode fazer a diferença e ajudá-lo a prevenir esse incômodo.

Incluir mais alimentos frescos na dieta, como frutas, verduras e legumes é um dos importantes passos para prevenir a gastrite. “Isso melhora a saúde do trato gastrintestinal. Diversas doenças seriam facilmente prevenidas se priorizássemos o cuidado com a alimentação”, explica Morbi. A nutricionista recomenda o consumo de duas a quatro frutas por dia, entre maçã, banana, pêssego, pera, uva, melão e kiwi, que ajudam a equilibrar a acidez estomacal.

O consumo de brócolis, couve-flor, couve de Bruxelas, repolho e rabanete também ajuda no combate à bactéria Helicobacter pylori, uma das principais causadoras da gastrite. Já a couve crua e o gengibre são aliados para combater a acidez. “O gengibre possui ação anti-inflamatória. O óleo de coco também é muito bom no tratamento nutricional da gastrite, já que possui ação bactericida e antifúngica”, salienta.

Aprecie com moderação

Em compensação, evite consumir em excesso carnes, ovos, leite e derivados e frituras, pois tudo isso aumenta a produção de ácido gástrico. Mascar chicletes frequentemente também afeta a mucosa do estômago. Açúcar refinado, refrigerantes e bebidas gaseificadas são outros vilões, porque colaboram para aumentar a irritação e as inflamações no estômago. “Evitar alimentos altamente processados, como biscoitos e salgadinhos, é fundamental para evitar problemas estomacais e intestinais”, complementa a nutricionista.

Jaime Zaladek, gastroenterologista do Hospital Israelita Albert Einstein e professor de gastroenterologia da Escola Paulista de Medicina (UnifeSP), também pontua formas de prevenir e tratar a doença. Uma delas é higienizar bem os alimentos, para eliminar a Helicobacter pylori, umas das poucas bactérias que consegue viver na parede do estômago.

“Com cuidados simples, como evitar o consumo abusivo de álcool, higienizar e cozinhar adequadamente os alimentos, saber da procedência dos produtos alimentícios que consome e usar de forma consciente medicamentos, é possível evitar o surgimento de gastrites”, revela Zaladek. O médico reforça que o uso excessivo de anti-inflamatórios e medicamentos derivados de aspirina são outra causa comum desse mal. Mais uma prova de que prevenir é sempre melhor do que remediar.

É importante reforçar que cada organismo é único e, por isso, todo caso de gastrite sempre deve ser tratado com acompanhamento médico. Lembre-se de que quanto antes souber a origem do desconforto no estômago, mais rápida será a recuperação. Hoje, o procedimento cirúrgico é restrito apenas a casos extremos – a maioria dos tratamentos está na mudança de hábitos.



notícias da mídia Autores variados

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide