AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Vida saudável



Publicado em: 03/03/2016

Um grupo de cientistas realizando experimentos com camundongos conseguiu elucidar o mecanismo biológico que faz com que alimentos gordurosos aumentem o risco de o intestino desenvolver câncer.

Em um novo estudo os pesquisadores mostraram que o consumo de gordura faz o intestino produzir mais células-tronco -- células versáteis responsáveis por regenerar a parede intestinal, que sofre desgastes constante.

Células-tronco são "indiferenciadas" e capazes de se tornar outros tipos de tecido no organismo, uma qualidade que, por outro lado, também as coloca em maior risco de produzir tumores. Daí surge a ligação entre a gordura e o câncer.

A descoberta foi estabelecida em experimento que comparou roedores alimentados com muita gordura a outros mantidos sob dieta balanceada.

"Uma dieta altamente gordurosa aumenta o número e a proliferação de células-tronco intestinais, que podem ser parcialmente responsáveis pelo aumento no número de tumores intestinais", escrevem os pesquisadores em estudo na revista "Nature". O trabalho foi liderado por Semir Beyaz, do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts).

Molécula-alvo

No experimento, os cientistas também conseguiram identificar uma molécula específica -- uma proteína chamada PPAR-Delta -- que é produzida em maior número sob a presença de gordura no intestino. Essa substância estimula uma produtividade maior de células-tronco no intestino.

Essa proteína é uma ativadora de trechos de DNA que induzem nas células o comportamento para regeneração do revestimento do intestino -- e consequente produção de células tronco. A descoberta de sua implicação pode levar a aplicações como terapias para prevenir o câncer.

"Mais pesquisas são necessárias para determinar se intervenções alimentares ou farmacológicas alvejando as células-tronco intestinais poderiam manter saudável a função intestinal e reduzir a incidência de tumores", escreve Pere Puigserver, biólogo da Universidade Harvard, comentando a pesquisa de Beyaz.


notícias da mídia Autores variados

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide