AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Vida saudável



Publicado em: 30/01/2016

As tábuas de corte são essenciais na hora de fatiar e picar alimentos, mas são, também, potenciais focos de contaminação. Por isso, "escolher um modelo adequado e de fácil higienização evita as infecções causadoras de náuseas, vômitos, cólicas intestinais e diarreias", alerta a infectologista Marta Fragoso. Para evitar a contaminação cruzada, jamais utilize o mesmo item para cortar carne crua e vegetais. O ideal é utilizar um utensílio para cada grupo alimentar.

Limpeza
Seja qual for o material, a tábua deve ser cuidadosamente higienizada. Para isso, lave o utensílio com água quente e sabão e aplique sobre a superfície uma colher de sopa de bicarbonato de sódio. Em seguida, esfregue a peça com uma esponja embebida em uma solução preparada com 1/4 de xícara de água oxigenada (10 vol.) e 1/4 de xícara de vinagre branco. Finalize a desinfecção enxaguando com água quente.

Alternativa é, após lavar a tábua com sabão e água quente, deixá-la de molho por trinta minutos em uma solução de 1 litro de água e 100 ml de hipoclorito de sódio ou água sanitária. Sempre guarde o utensílio seco e em local arejado.

Tipos

Madeira
As tábuas de madeira têm forte presença nas casas brasileiras por serem firmes, duráveis e de baixo custo. Mas, nos últimos anos, o material passou a ser mal visto, após serem proibidas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em bares e restaurantes. O motivo é que as ranhuras na superfície deixam o utensílio mais suscetível ao acúmulo de microrganismos. Para quem é fiel às tábuas de madeira, certos cuidados ajudam a minimizar riscos: primeiro opte por um modelo com tratamento antimicrobiano. Também vale untar a superfície com óleo comestível e sem cheiro antes do primeiro uso.

Bambu
As tábuas de bambu têm a vantagem de serem leves, bonitas e confeccionadas com matéria-prima renovável. Além disso, contam com a ação antibacteriana natural do bambu e têm fibras menos porosas, evitando o acúmulo de resíduos. Assim como para as de madeira, a aplicação periódica de óleo é recomendada, sempre após a lavagem manual com água e sabão.

Plástico
As tábuas plásticas são fáceis de limpar e podem ser colocadas na máquina de lavar. A disponibilidade de cores e modelos facilita a identificação do utensílio conforme o uso (carnes vermelhas, carnes brancas, frutas e vegetais). "Para quem não tem versões coloridas, a solução é identificar os objetos com etiquetas plásticas laváveis", recomenda a personal organizer Juliana Faria. Com custo não muito alto, os modelos plásticos devem ser trocados quando apresentarem manchas, ranhuras e cortes consideráveis em sua superfície.

Vidro
Em relação à contaminação, as tábuas de vidro saem na frente das "concorrentes". A superfície lisa impede a formação de fissuras ocasionadas pelas facas. Além disso, não contêm Bisfenol A e outros poluentes orgânicos presentes em alguns tipos de plástico. Mas, embora seja muito fácil de limpar (basta lavá-la com água e detergente), esse tipo de tábua apresenta desvantagens. Por ser duro, o vidro danifica o fio das facas e são um tanto desconfortáveis (também pelo som produzido), quando apoiam alimentos duros durante o corte.



notícias da mídia Autores variados

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide