AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Conselhos Úteis



Publicado em: 28/03/2013

Prazer e culpa andam juntos quando se fala de... chocolate. Não é por menos: a delícia consumida pelos astecas e maias estimula a liberação de serotonina, o mesmo hormônio que liberamos durante o sexo. Mas, como se sabe, o deleite vem acompanhado de uma alta dose de calorias: segundo o cardiologista e nutrólogo Daniel Magnoni, do Hospital do Coração (HCor), apenas uma barra grande de chocolate pode conter até 700 calorias. O segredo para se deliciar sem sofrer depois, portanto, reside na moderação.

— O chocolate não é vilão nem mocinho. Nesta história, o bandido é a quantidade. Tudo em quantidade pode matar, até água. O chocolate contém gordura saturada em açúcar, que são outros vilões. Mas também tem flavonoides, que ajudam no combate ao colesterol — explica o médico.
Mas para quem quer aproveitar as benesses do chocolate, é melhor se acostumar com o gosto das versões mais amargas, com 70% de cacau, que têm bem menos gordura e açúcar.

— O consumo de 20 a 40 gramas por dia, de chocolate amargo, teria mais benefícios do que malefícios — recomenda Magnoni, que não defende, porém, que ninguém faça jejum de chocolate durante a irresistível temporada de Páscoa:

— Não tem por que fazer patrulhamento na Páscoa, pode comer quanto chocolate quiser. Não é a época de fazer regime. O importante é reduzir o consumo durante a vida, na merenda escolar. Mas não tem por que recusar uma caixa de bombons da sua sogra — brinca.
Confira abaixo outros mitos e verdades sobre o chocolate, e boa Páscoa!

“Chocolate branco não é chocolate”. Verdade. Não só não é chocolate, como é um grande vilão de quem quer manter uma alimentação saudável.

— O chocolate branco é um engodo, uma fraude. Ele não é nada, apenas uma mistura de açúcar, óleo e gordura”, afirma o dr. Magnoni.
“Chocolate diet é bom para dieta”. Mito. O chocolate diet é apenas recomendado para diabéticos, pois não contém açúcar. Já quem está de dieta deve fugir do “diet”:

— O chocolate diet é uma armadilha em termos calóricos, porque ele tem mais calorias. O que a indústria tira de açúcar, ela coloca de gordura, para manter o gosto doce.

“Chocolate vicia”. Mito. O chocolate não causa nenhum tipo de dependência. Se as pessoas não conseguem largar dele, é por causa da sensação de prazer que a serotonina libera.

“Chocolate ajuda durante a TPM”. Verdade. Mais uma vez, a serotonina ajuda a responder a questão. É ela que auxilia no combate à ansiosidade e à irritação típicas da TPM. Mas, da mesma forma, a tensão pode ser atenuada com exercícios físicos ou sexo, outras duas atividades que liberam a substância.

“Chocolate ajuda nos estudos”. Depende. O chocolate é fonte de energia e, portanto, pode dar maior disposição para quem precisa encarar uma maratona de estudos ou de exercícios. Mas não adianta achar que comer um ovo de Páscoa antes prova vai garantir um bom resultado.

— O chocolate é um fornecedor rápido de energia, mas não tem ação melhorando a ação cognitiva.

“Chocolate dá espinha”. Mito. Não há nada que comprove a relação do alimento com o surgimento das espinhas.

“Chocolate tira o sono”. Mito. O produto não contém cafeína o suficiente para provocar este efeito.

“Chocolate pode ajudar na prevenção do Alzheimer”. Verdade. De acordo com o dr. Magnoni, estudos apontam que o chocolate é bom para os quadros do sistema nervoso central, o que ajuda a evitar a incidência de mal de Alzheimer e demência.

— Não quer dizer que você vai dar chocolate para o avô e ele vai se curar. Não funciona para melhorar quem já tem. Mas há trabalhos que mostram que grupos populacionais que consomem o chocolate ao longo da vida tem menor incidência desses tipos de doenças mentais.


Notícias da mídia Exercícios para fazer na cama ao acordar Quando o despertador toca de manhã sempre bate a preguiça de levantar da cama. Mais 10 minutos de soneca e você já está atrasada, não é? Ao longo do dia, o pescoço começa a doer, suas costas também e você já está na terceira xícara de café. Um jeito muito fácil de evitar todos esses problemas é manter uma pequena rotina de exercícios logo que você acorda. Respiração e alongamento ajudam a despertar e dar mais energia, sabia? "Estudos mostram que ao despertarmos pela manhã nossos músculos ficam 10% mais curtos e rígidos devido ao repouso prolongado da noite. O alongamento matinal é de grande importância, além de relaxar a musculatura e o corpo, previne dores que ao longo do dia podem ser sentidas", explica a fisioterapeuta e instrutora de pilates do Fit Body Pilates SPa&Estética, Mariana Novaes. São 6 exercícios bem simples que levam só 5 minutos: stretching 1. Deitada na cama retire seu travesseiro e alinhe bem sua coluna. Estique os braços e as pernas, de modo que seu corpo fique todo esticado. Entrelace suas mãos e estique-as para cima, fazendo uma tração na coluna. Repita esse movimento duas vezes por 20 segundos. 2. Deitada, dobre seus joelhos e leve em direção ao tronco, como se fosse abraçar as pernas. Mantenha por 20 segundos nessa posição e depois repita por mais uma vez. 3. Deitada, apoie seus pés na cama, flexione um pouco seu quadril e leve-o para o lado, deixando sua cabeça para o lado oposto do quadril. (Se levou o quadril para o lado direto, leve a cabeça para o lado esquerdo) Abra bem seus braços e relaxe. Faça dos dois lados, mantendo por 20 segundos na posição de alongamento e repetindo duas vezes. 4. Deitada, apoie os pés na cama unindo-os calcanhar com calcanhar e abra as pernas, fazendo a famosa posição da borboleta. Mantenha na postura de alongamento durante 20 segundos repetindo 2 vezes o movimento. 5. Sentada com o corpo ereto, pegue o braço direito e leve em direção a cabeça, puxando-a para o lado direito. Você irá sentir alongar a região do músculo trapézio e a região cervical do lado contralateral. Repita esse movimento por duas vezes mantendo por 20 segundos e repita no outro lado. 6. Todos os alongamentos devem ser associados a uma respiração lenta e profunda, inspirando o ar pelo nariz e expirando pela boca auxiliando o maior relaxamento muscular. A professora e proprietária da Personal Work, Adriane Lafemina explica como fazer o exercício: Deite com as pernas flexionadas, plantas dos pés na cama, mãos abaixo do umbigo e com a ponta dos dedos médios se tocando (se quiser junte os joelhos). Feche os olhos, inspire pelo nariz, sentindo o abdômen inchar: imagine um balão no abdômen, que se enche de ar na inspiração. Expire pelo nariz até o abdômen murchar completamente. Sinta que ao expirar o abdômen se contrai para dentro. Não force sua respiração, nem muito rápida, nem muito profunda, apenas observe seu ritmo. Experimente deixar sua expiração um pouco mais lenta que a inspiração! Faça o exercício de três a cinco minutos.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide