AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» Campanha: Ano Novo, Dívida Zero
» Comportamento.
» Comunicação
» Conselhos Úteis
» Consultas Boa Vista Serviço - SCPC
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
Conselhos Úteis



Publicado em: 30/07/2019

Seja cozido, mexido, poché ou frito, ovo é uma delícia. E também muito saudável.

Fonte de proteína, o ovo ajuda a manter e aumentar a massa muscular. O alimento também é rico em antioxidantes como triptofano e tirosina, que podem prevenir doenças como câncer.

Por muito tempo ele foi o “inimigo” da dieta saudável por médicos acreditarem que o alimento aumenta o colesterol, mas foi provado o contrário: o ovo, na verdade, diminui a absorção de colesterol no intestino por ser rico em lecitina.

O ovo também é uma ótima fonte de zinco, vitaminas A e E, selênio, ferro e ácido fólico, entre outros nutrientes importantes para nossa saúde.

Mesmo com tantos benefícios, ainda existem muitas “fake news” que rondam o alimento. Veja alguns dos mitos sobre o ovo em que você precisa parar de acreditar:

Mito 1: Ovo cru é melhor fonte de proteína do que o cozido
Quem nunca soube de alguém que come ovo cru por acreditar que ele aumenta a massa muscular? De fato, ovo é uma ótima fonte de proteína, mas comê-lo cru não é necessariamente a melhor estratégia, uma vez que tem as mesmas gramas de proteína de um ovo cozido. Além disso, ovo cru pode conter salmonela.

Mito 2: Ovo marrom (caipira) é mais nutritivo do que o branco

A cor da casca do ovo não tem relação com o valor nutricional, mas apenas com a genética da raça da galinha que o botou. Normalmente, galinhas de penas brancas botam ovos brancos e galinhas de penas vermelhas botam ovos marrons. Então, sem discriminação, ok?

Mito 3: Comer acidentalmente uma pequena parte da casca faz mal à saúde

Encontrar uma “casquinha” de ovo no omelete ou no bolo não é legal, mas também não é perigoso para a saúde. Uma pequena parte não fará mal, mas um pedaço significativo da casca pode causar problemas de irritação e até danos ao esôfago. Além disso, a casca de ovo também pode conter salmonella, então é melhor não comer ― de propósito.

Mito 4: A pequena substância branca ligada à gema não é um “cordão umbilical”

Você não precisa se assustar ou retirá-la com um garfo, ela se chama chalaza. A chalaza pode ser encontrada dos dois lados da gema e sua função é manter a gema no meio do ovo ― uma espécie de âncora. É seguro comê-la.

Mito 5: Tamanho do ovo é proporcional ao tamanho da galinha

Se você não entende porque alguns ovos são maiores que os outros e atribui ao tamanho da galinha, saiba que não é bem assim. Claro que galinhas maiores provavelmente vão botar ovos grandes, mas outros fatores que também determinam o tamanho do ovo são a dieta, idade, peso, ambiente em que ela vive, entre outros.

Mito 6: Comer só as claras é melhor para formar músculos

Aos marombas de plantão: vocês podem estar comendo ovos da forma errada.

Um estudo publicado no renomado American Journal of Clinical Nutrition analisou dez homens saudáveis, com faixa etária de 20 anos, que praticavam exercícios regularmente. Após um treino de resistência, metade dos participantes comeu ovos inteiros e outra metade só as claras, nada de gema. Eles ingeriram o equivalente a 18 gramas de proteína.

Após essa etapa, foram realizados exames de sangue que mostraram que ambos os grupos entregaram a mesma quantidade de aminoácidos, responsáveis pela formação muscular. Porém, aqueles que ingeriram o ovo inteiro apresentaram melhor construção muscular ― precisamente, 40% maior do que o grupo de homens que comeram só as claras.

Ou seja, ingerir o ovo inteiro é melhor para a formação da massa muscular. Sem desperdício, hein?


Notícias da mídia Exercícios para fazer na cama ao acordar Quando o despertador toca de manhã sempre bate a preguiça de levantar da cama. Mais 10 minutos de soneca e você já está atrasada, não é? Ao longo do dia, o pescoço começa a doer, suas costas também e você já está na terceira xícara de café. Um jeito muito fácil de evitar todos esses problemas é manter uma pequena rotina de exercícios logo que você acorda. Respiração e alongamento ajudam a despertar e dar mais energia, sabia? "Estudos mostram que ao despertarmos pela manhã nossos músculos ficam 10% mais curtos e rígidos devido ao repouso prolongado da noite. O alongamento matinal é de grande importância, além de relaxar a musculatura e o corpo, previne dores que ao longo do dia podem ser sentidas", explica a fisioterapeuta e instrutora de pilates do Fit Body Pilates SPa&Estética, Mariana Novaes. São 6 exercícios bem simples que levam só 5 minutos: stretching 1. Deitada na cama retire seu travesseiro e alinhe bem sua coluna. Estique os braços e as pernas, de modo que seu corpo fique todo esticado. Entrelace suas mãos e estique-as para cima, fazendo uma tração na coluna. Repita esse movimento duas vezes por 20 segundos. 2. Deitada, dobre seus joelhos e leve em direção ao tronco, como se fosse abraçar as pernas. Mantenha por 20 segundos nessa posição e depois repita por mais uma vez. 3. Deitada, apoie seus pés na cama, flexione um pouco seu quadril e leve-o para o lado, deixando sua cabeça para o lado oposto do quadril. (Se levou o quadril para o lado direto, leve a cabeça para o lado esquerdo) Abra bem seus braços e relaxe. Faça dos dois lados, mantendo por 20 segundos na posição de alongamento e repetindo duas vezes. 4. Deitada, apoie os pés na cama unindo-os calcanhar com calcanhar e abra as pernas, fazendo a famosa posição da borboleta. Mantenha na postura de alongamento durante 20 segundos repetindo 2 vezes o movimento. 5. Sentada com o corpo ereto, pegue o braço direito e leve em direção a cabeça, puxando-a para o lado direito. Você irá sentir alongar a região do músculo trapézio e a região cervical do lado contralateral. Repita esse movimento por duas vezes mantendo por 20 segundos e repita no outro lado. 6. Todos os alongamentos devem ser associados a uma respiração lenta e profunda, inspirando o ar pelo nariz e expirando pela boca auxiliando o maior relaxamento muscular. A professora e proprietária da Personal Work, Adriane Lafemina explica como fazer o exercício: Deite com as pernas flexionadas, plantas dos pés na cama, mãos abaixo do umbigo e com a ponta dos dedos médios se tocando (se quiser junte os joelhos). Feche os olhos, inspire pelo nariz, sentindo o abdômen inchar: imagine um balão no abdômen, que se enche de ar na inspiração. Expire pelo nariz até o abdômen murchar completamente. Sinta que ao expirar o abdômen se contrai para dentro. Não force sua respiração, nem muito rápida, nem muito profunda, apenas observe seu ritmo. Experimente deixar sua expiração um pouco mais lenta que a inspiração! Faça o exercício de três a cinco minutos.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide