AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Conselhos Úteis



Publicado em: 31/07/2018

Confira o que levar a sério, quais as condições certas para aferir a pressão e a influência da ingestão de água na elevação dos índices

1 – Bexiga cheia influencia a medida da pressão arterial.

Verdade. Quem nunca sentiu desconforto ao ficar com a bexiga cheia, que descruze as pernas. Essa sensação prejudica a aferição da pressão arterial, que pode apresentar uma hipertensão falsa. Esvaziar a bexiga é uma das orientações das Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, assim como de não praticar exercícios físicos pelo menos 60 minutos antes, não ingerir bebidas alcóolicas, café ou outros alimentos que deixem a pessoa mais agitada e não fumar 30 minutos antes. Para verificar corretamente, a pessoa deve estar tranquila e sem estresse por perto.

2 – Hipertensão apresenta sintomas.

Mito. Pode apresentar, mas na maioria das vezes não há qualquer indicativo de que a pressão esteja ultrapassando os limites do aceitável. E, quando os sintomas surgem, são tão comuns que nem sempre a pessoa associa à pressão arterial elevada, como dor de cabeça, tontura e mal estar. Por isso, é importante verificar sempre a pressão, especialmente se há casos de hipertensão na família. Na pressão baixa, os indicativos são mais claros: desmaio, tontura, fraqueza e sonolência. Em dias quentes, pessoas com pressão mais baixa devem fugir de ambientes abafados e tomar água.

3 – Água colabora para elevar a pressão.

Verdade. Especialmente em dias quentes, quem tem a pressão abaixo dos 120mmHg por 80mmHg (12 por 8) deve se hidratar mais. A água faz com que as camadas musculares das artérias se contraiam e dilatem, ‘empurrando’ o sangue pelo corpo. Com isso, impedem que a pessoa com pressão mais baixa sinta fraqueza e desmaie, algo comum no verão. Por isso, quando alguém desmaia, indica-se passar água nos pulsos e na nuca – regiões de maior absorção. No caso dos hipertensos, o reforço hídrico não influencia na pressão arterial.

4 – Hipertensos podem apresentar pressão baixa também.

Verdade. Pessoas hipertensas que tomam medicamentos para a pressão arterial elevada podem tê-la reduzida além da conta, tornando-se hipotensas. Neste caso, cabe ao médico adequar a medicação do paciente, de forma que não abaixe demais. Este desequilíbrio é mais comum em indivíduos idosos, que apresentam pressão sistólica (quando o coração se contrai) mais alta que os adultos. Mesmo jovens com pressão baixa ou normal não estão livres de se tornarem hipertensos. Genética, estilo de vida, alimentação e sedentarismo colaboram para a elevação.

5 – Não existe o efeito do avental branco.

Mito. Especialistas estimam que 30% das pessoas na presença do médico, enfermeiro ou outro representante da área da saúde apresentam aumento da pressão arterial, indicando uma falsa hipertensão. O contrário também ocorre, apesar de raro. A hipotensão do avental branco ocorre em cerca de 10% dos pacientes e tende a ser mais perigosa, porque pode mascarar uma hipertensão. De acordo com as Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, o efeito do avental branco é mais frequente em mulheres, brancos, idosos, pacientes com sobrepeso e obesos.

6 – Para diagnosticar a hipertensão, são necessárias várias aferições.

Verdade. Por causa do efeito do avental branco, é aconselhado verificar a pressão em vários locais, não apenas no consultório. Aferir na farmácia e na residência ajuda a confirmar ou alterar o diagnóstico de hipertensão. Certifique-se de que aparelho de aferição, seja o digital, de mercúrio ou o tradicional, com o manômetro, esteja calibrado e o manguito – a braçadeira do aparelho – esteja de acordo com o diâmetro do braço do paciente.

7 – Valores de pressões arteriais variam de acordo com a idade.

Verdade. A interpretação dos valores obtidos tanto em crianças quanto em adolescentes deve levar em conta a idade, o sexo e a altura. Após os três anos de idade, é recomendável que as crianças tenham a pressão aferida todo ano, como parte do atendimento pediátrico primário. Gestantes, idosos, obesos e pessoas com doenças crônicas, como diabete, também apresentam diferenças na hora de aferir. Os idosos podem apresentar valores falsos em diversos casos.


Fontes: VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, desenvolvida pela Sociedade Brasileira de Cardiologia; Geraldo Henrique Scheffer, cardiologista do Hospital Vita Batel; Marcelo Mazza, nefrologista do Hospital das Clínicas, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e da Fundação Pró-Renal.




Notícias da mídia Exercícios para fazer na cama ao acordar Quando o despertador toca de manhã sempre bate a preguiça de levantar da cama. Mais 10 minutos de soneca e você já está atrasada, não é? Ao longo do dia, o pescoço começa a doer, suas costas também e você já está na terceira xícara de café. Um jeito muito fácil de evitar todos esses problemas é manter uma pequena rotina de exercícios logo que você acorda. Respiração e alongamento ajudam a despertar e dar mais energia, sabia? "Estudos mostram que ao despertarmos pela manhã nossos músculos ficam 10% mais curtos e rígidos devido ao repouso prolongado da noite. O alongamento matinal é de grande importância, além de relaxar a musculatura e o corpo, previne dores que ao longo do dia podem ser sentidas", explica a fisioterapeuta e instrutora de pilates do Fit Body Pilates SPa&Estética, Mariana Novaes. São 6 exercícios bem simples que levam só 5 minutos: stretching 1. Deitada na cama retire seu travesseiro e alinhe bem sua coluna. Estique os braços e as pernas, de modo que seu corpo fique todo esticado. Entrelace suas mãos e estique-as para cima, fazendo uma tração na coluna. Repita esse movimento duas vezes por 20 segundos. 2. Deitada, dobre seus joelhos e leve em direção ao tronco, como se fosse abraçar as pernas. Mantenha por 20 segundos nessa posição e depois repita por mais uma vez. 3. Deitada, apoie seus pés na cama, flexione um pouco seu quadril e leve-o para o lado, deixando sua cabeça para o lado oposto do quadril. (Se levou o quadril para o lado direto, leve a cabeça para o lado esquerdo) Abra bem seus braços e relaxe. Faça dos dois lados, mantendo por 20 segundos na posição de alongamento e repetindo duas vezes. 4. Deitada, apoie os pés na cama unindo-os calcanhar com calcanhar e abra as pernas, fazendo a famosa posição da borboleta. Mantenha na postura de alongamento durante 20 segundos repetindo 2 vezes o movimento. 5. Sentada com o corpo ereto, pegue o braço direito e leve em direção a cabeça, puxando-a para o lado direito. Você irá sentir alongar a região do músculo trapézio e a região cervical do lado contralateral. Repita esse movimento por duas vezes mantendo por 20 segundos e repita no outro lado. 6. Todos os alongamentos devem ser associados a uma respiração lenta e profunda, inspirando o ar pelo nariz e expirando pela boca auxiliando o maior relaxamento muscular. A professora e proprietária da Personal Work, Adriane Lafemina explica como fazer o exercício: Deite com as pernas flexionadas, plantas dos pés na cama, mãos abaixo do umbigo e com a ponta dos dedos médios se tocando (se quiser junte os joelhos). Feche os olhos, inspire pelo nariz, sentindo o abdômen inchar: imagine um balão no abdômen, que se enche de ar na inspiração. Expire pelo nariz até o abdômen murchar completamente. Sinta que ao expirar o abdômen se contrai para dentro. Não force sua respiração, nem muito rápida, nem muito profunda, apenas observe seu ritmo. Experimente deixar sua expiração um pouco mais lenta que a inspiração! Faça o exercício de três a cinco minutos.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide