AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Conselhos Úteis



Publicado em: 03/07/2016

A queda da temperatura favorece a transmissão de importantes doenças infectocontagiosas. Ao contrário da gripe, em que a vacinação é altamente difundida como forma de prevenção, quase metade dos brasileiros com mais de 50 anos (49%) não sabe que a pneumonia pneumocócica, de origem bacteriana, pode ser evitada da mesma forma.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 1,6 milhão de pessoas morre de pneumonia por ano no mundo. No Brasil, a enfermidade — somadas todas as causas: viral, bacteriana e fúngica — é a segunda doença respiratória mais comum.

A pneumonia é uma infecção que afeta os pulmões e tem como sintomas característicos tosse, febre e dificuldade de respirar. Crianças, idosos e pessoas com diabetes mellitus, doenças cardíacas e pulmonares, entre outras doenças crônicas, são mais vulneráveis a esse tipo de complicação.

A transmissão da bactéria pneumococo se dá de pessoa para pessoa por contato direto com secreções respiratórias, como saliva e muco. Lavar as mãos regularmente e desinfetar superfícies potencialmente contaminadas ajudam a prevenir a doença. Mas a vacina é a forma mais eficaz e segura para evitá-la.

A complicação respiratória representa uma ameaça à saúde, principalmente aos grupos que estão nos extremos da vida. Enquanto meninos e meninas abaixo dos 2 anos não têm o sistema imunológico totalmente desenvolvido, nos idosos e nas idosas, as defesas do organismo começam a se enfraquecer. Mestra em imunologia celular pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e especialista em patologia clínica, Paula Távora afirma que, de cada 10 casos de gripe, quatro demandam hospitalização e podem evoluir para a pneumonia. “As doenças pneumocócicas invasivas são responsáveis por 50% de todas as internações que temos no período outono-inverno”, ressalta.

A especialista explica que a pneumonia invasiva é aquela que desce dos brônquios para o tecido pulmonar. A não invasiva desce para a traqueia, e o paciente desenvolve rinite, sinusite ou bronquite. Como a associação entre o vírus da gripe e a bactéria pneumococo é comum, o ideal seria que os idosos recebessem não apenas a vacina da gripe, mas também a pneumocócica. No entanto, a imunização dessa faixa etária não está contemplada no Programa Nacional de Imunização (PNI).

O PNI oferece a vacina pneumocócica 10 valente a bebês de 2 a 4 meses de idade e um reforço com um ano de vida. Já a pneumocócica 23 é oferecida para idosos acima de 60 anos, mas apenas para os que vivem em instituições fechadas, como casas geriátricas, hospitais, asilos e casas de repouso. A dose de reforço é ministrada cinco anos depois.

Além dessas duas situações, pacientes com condições clínicas especiais têm direito à vacina pela rede pública, com doses disponíveis nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (Crie). Nesses locais, a pneumocócica 10 valente é aplicada em criança de 2 meses até 5 anos e a pneumocócica 23, a partir dos 5 anos.

O calendário da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) recomenda a vacina pneumocócica 13 valente e 23 valente para todas as pessoas acima dos 60 anos. “Entre 50 e 60, fica a critério do médico recomendar ou não a vacinação e, na faixa etária entre os 5 e 50 anos, a pneumonia não é tão grave quanto nos extremos da vida. Quem morre de pneumonia são idosos e doentes crônicos e, infelizmente, a saúde pública ainda não oferece a vacina contra a pneumonia para os maiores 60 anos”, afirma a presidente da entidade, Isabella Ballalai.

A orientação da SBIm de vacinação de rotina para os idosos é iniciar a imunização com a 13 valente (dose única). Entre seis e 12 meses depois, deve-se tomar uma 23 valente e, cinco anos depois, repetir a dose. Disponíveis na rede privada, a pneumo 23 tem preço médio de R$ 100 e a pneumo 13, R$ 250. “É importante lembrar também que a vacina não protege apenas contra a pneumonia, mas também contra meningite, sepse e otite. A bactéria pneumococo causa várias doenças além da pneumonia”, salienta Ballalai.



Notícias da mídia Exercícios para fazer na cama ao acordar Quando o despertador toca de manhã sempre bate a preguiça de levantar da cama. Mais 10 minutos de soneca e você já está atrasada, não é? Ao longo do dia, o pescoço começa a doer, suas costas também e você já está na terceira xícara de café. Um jeito muito fácil de evitar todos esses problemas é manter uma pequena rotina de exercícios logo que você acorda. Respiração e alongamento ajudam a despertar e dar mais energia, sabia? "Estudos mostram que ao despertarmos pela manhã nossos músculos ficam 10% mais curtos e rígidos devido ao repouso prolongado da noite. O alongamento matinal é de grande importância, além de relaxar a musculatura e o corpo, previne dores que ao longo do dia podem ser sentidas", explica a fisioterapeuta e instrutora de pilates do Fit Body Pilates SPa&Estética, Mariana Novaes. São 6 exercícios bem simples que levam só 5 minutos: stretching 1. Deitada na cama retire seu travesseiro e alinhe bem sua coluna. Estique os braços e as pernas, de modo que seu corpo fique todo esticado. Entrelace suas mãos e estique-as para cima, fazendo uma tração na coluna. Repita esse movimento duas vezes por 20 segundos. 2. Deitada, dobre seus joelhos e leve em direção ao tronco, como se fosse abraçar as pernas. Mantenha por 20 segundos nessa posição e depois repita por mais uma vez. 3. Deitada, apoie seus pés na cama, flexione um pouco seu quadril e leve-o para o lado, deixando sua cabeça para o lado oposto do quadril. (Se levou o quadril para o lado direto, leve a cabeça para o lado esquerdo) Abra bem seus braços e relaxe. Faça dos dois lados, mantendo por 20 segundos na posição de alongamento e repetindo duas vezes. 4. Deitada, apoie os pés na cama unindo-os calcanhar com calcanhar e abra as pernas, fazendo a famosa posição da borboleta. Mantenha na postura de alongamento durante 20 segundos repetindo 2 vezes o movimento. 5. Sentada com o corpo ereto, pegue o braço direito e leve em direção a cabeça, puxando-a para o lado direito. Você irá sentir alongar a região do músculo trapézio e a região cervical do lado contralateral. Repita esse movimento por duas vezes mantendo por 20 segundos e repita no outro lado. 6. Todos os alongamentos devem ser associados a uma respiração lenta e profunda, inspirando o ar pelo nariz e expirando pela boca auxiliando o maior relaxamento muscular. A professora e proprietária da Personal Work, Adriane Lafemina explica como fazer o exercício: Deite com as pernas flexionadas, plantas dos pés na cama, mãos abaixo do umbigo e com a ponta dos dedos médios se tocando (se quiser junte os joelhos). Feche os olhos, inspire pelo nariz, sentindo o abdômen inchar: imagine um balão no abdômen, que se enche de ar na inspiração. Expire pelo nariz até o abdômen murchar completamente. Sinta que ao expirar o abdômen se contrai para dentro. Não force sua respiração, nem muito rápida, nem muito profunda, apenas observe seu ritmo. Experimente deixar sua expiração um pouco mais lenta que a inspiração! Faça o exercício de três a cinco minutos.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide