AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Conselhos Úteis



Publicado em: 26/06/2016


1. Divida as situações em pequenas porções

Prothero disse que, quando uma criança está se sentindo ansiosa em relação a um cenário, é tentador ajudá-la a evitá-lo. Mas, com isso, ela nunca desenvolverá confiança.

“Em vez disso, ajude-os a desmembrar a situação sobre a qual estão tendo dificuldade em pequenos ‘pedaços’ e faça muitos elogios com recompensas à medida que enfrentam cada ‘pedaço’ antes de avançar para o próximo nível”, explicou.

“Por exemplo, se uma criança é socialmente ansiosa, incentive-a a participar de pequenas reuniões e permita que ela se acostume antes de tentar uma festa um pouco maior.”

2. Use técnicas de relaxamento

Martin cria um “lugar seguro” para o filho onde ele possa se sentir protegido e calmo antes de ir para a cama. Ela conversa com ele usando técnicas de relaxamento, como um tom suave e frases positivas.

“As palavras que os pais podem dizer durante esse relaxamento devem ser as mais apropriadas às necessidades da criança”, disse. “Eu uso a primeira pessoa, o que funciona bem, por exemplo: ‘Repita em sua mente: ‘Estou seguro, estou em casa onde quer que eu esteja, está tudo bem’. Um tom suave, com um leve toque no ombro ou no peito, funciona bem”, explicou Martin.

“Tenha cuidado em não usar palavras negativas, por isso, em vez de dizer: ‘Não precisa ficar com medo’, diga algo como: ‘Você está seguro, tudo está calmo e está tudo bem’.”

técnicas

3. Ensine técnicas de respiração

Respirar, em geral, ajuda qualquer pessoa que está se sentindo ansiosa a atrair a atenção para a ação de respirar e não para o motivo da preocupação. Controlar isso pode criar uma sensação de calma e evitar futuros ataques de ansiedade.

Martin disse que usa essas técnicas para acalmar o filho. “Uso a técnica de inspirar pelo nariz contando até quatro e depois expirar pelo nariz contando até quatro”, disse.

“O objetivo é que as crianças retomem o controle sobre suas emoções; então, se elas enfrentarem uma situação ‘assustadora’ ou ‘desconfortável’, podem recorrer a estratégias seguras e eficazes, como os poderes de um super-herói.”

4. Estimule um 'pensamento feliz'

Martin diz que tenta dizer ao filho uma afirmação positiva todas as noites antes dele ir dormir e todas as manhãs antes dele ir à escola — que é quando se sente mais ansioso.

“Ele agora pede isso especificamente”, disse. “Acho que ele se sente seguro e apoiado sabendo que pode focar nisso quando vai dormir ou no caminho para a escola. Meu marido foi quem começou com o ‘pensamento feliz’. Meu filho pergunta: ‘Qual é meu pensamento feliz?’”.

“Nós o encorajamos a escolher sua própria lembrança feliz, porque é sua mente e apenas ele pode saber o que anima seu espírito.”

5. Prepare-se para situações que provocam ansiedade

“Chegamos a lugares ou festas cedo para que minha filha não tenha que andar entre muita gente”, disse Shah, ao explicar que a filha se sente ansiosa em situações sociais.

Ela disse que se preparar para possíveis situações de ansiedade com antecedência permite que a filha lide melhor com elas.

“Ela responde bem a um carinho gentil”, acrescentou. “Também a elogiamos muito quando ela de fato participa de uma festa ou evento para reforçar sua conquista.”

tempo

6. Com o tempo, exponha seu filho a circunstâncias diferentes

Shah disse que os pais nunca devem se preocupar sobre o possível constrangimento de o filho ser “muito pegajoso”.

Eles devem se focar mais em construir a confiança dos filhos.

“Não os pressione muito”, aconselhou.

“Mas, gentilmente, com o tempo, exponha-os a circunstâncias diferentes que os tire de sua zona de conforto.”

7. Não se zangue, trabalhe em equipe

“Tentamos ser compreensivos e reconhecer os problemas da minha filha”, explicou Jones.

“Pesquisamos muito para tentar técnicas que servissem para Ella, e uma das melhores maneiras de tranquilizá-la
é conversar com ela.”

“Dizer a ela que não está sozinha e que outras crianças têm os mesmos medos, inclusive eu, é reconfortante. Trabalhamos em equipe, e ela sabe que levará tempo para que seu medo desapareça.”

8. Crie um 'livro de preocupações'

Saddleton, da YoungMinds, disse que, para ajudar crianças com ansiedade no longo prazo, criar um “livro de preocupações” pode encorajá-las a observar quais coisas as deixam ansiosas — seus gatilhos.

“Apenas no caso delas terem idade suficiente para fazer isso, peça que escrevam seus pensamentos em um ‘livro de preocupações’”, acrescentou.

Jones disse que a filha usa essa técnica, escrevendo seus pensamentos em uma “caixa de preocupações”.

converse

9. Converse com outros pais

Para os pais que não sabem como ajudar os filhos a lidar com a ansiedade ou pensamentos ansiosos, Jones disse que conversar com outros pais para conhecer suas técnicas pode dar ideias.

10. Busque ajuda de um profissional caso a ansiedade persista

“Se a ansiedade não melhorar ao longo de dois ou três meses ou estiver afetando significativamente a capacidade de seu filho de se socializar ou ir à escola, é preciso buscar ajuda profissional”, disse a terapeuta Prothero.

“Os terapeutas especializados em crianças podem ser consultados privadamente ou por meio de seu clínico geral.”

“O governo [britânico] recomenda que crianças com ansiedade social tenham de 8 a 12 sessões de terapia cognitivo-comportamental.”




Notícias da mídia Exercícios para fazer na cama ao acordar Quando o despertador toca de manhã sempre bate a preguiça de levantar da cama. Mais 10 minutos de soneca e você já está atrasada, não é? Ao longo do dia, o pescoço começa a doer, suas costas também e você já está na terceira xícara de café. Um jeito muito fácil de evitar todos esses problemas é manter uma pequena rotina de exercícios logo que você acorda. Respiração e alongamento ajudam a despertar e dar mais energia, sabia? "Estudos mostram que ao despertarmos pela manhã nossos músculos ficam 10% mais curtos e rígidos devido ao repouso prolongado da noite. O alongamento matinal é de grande importância, além de relaxar a musculatura e o corpo, previne dores que ao longo do dia podem ser sentidas", explica a fisioterapeuta e instrutora de pilates do Fit Body Pilates SPa&Estética, Mariana Novaes. São 6 exercícios bem simples que levam só 5 minutos: stretching 1. Deitada na cama retire seu travesseiro e alinhe bem sua coluna. Estique os braços e as pernas, de modo que seu corpo fique todo esticado. Entrelace suas mãos e estique-as para cima, fazendo uma tração na coluna. Repita esse movimento duas vezes por 20 segundos. 2. Deitada, dobre seus joelhos e leve em direção ao tronco, como se fosse abraçar as pernas. Mantenha por 20 segundos nessa posição e depois repita por mais uma vez. 3. Deitada, apoie seus pés na cama, flexione um pouco seu quadril e leve-o para o lado, deixando sua cabeça para o lado oposto do quadril. (Se levou o quadril para o lado direto, leve a cabeça para o lado esquerdo) Abra bem seus braços e relaxe. Faça dos dois lados, mantendo por 20 segundos na posição de alongamento e repetindo duas vezes. 4. Deitada, apoie os pés na cama unindo-os calcanhar com calcanhar e abra as pernas, fazendo a famosa posição da borboleta. Mantenha na postura de alongamento durante 20 segundos repetindo 2 vezes o movimento. 5. Sentada com o corpo ereto, pegue o braço direito e leve em direção a cabeça, puxando-a para o lado direito. Você irá sentir alongar a região do músculo trapézio e a região cervical do lado contralateral. Repita esse movimento por duas vezes mantendo por 20 segundos e repita no outro lado. 6. Todos os alongamentos devem ser associados a uma respiração lenta e profunda, inspirando o ar pelo nariz e expirando pela boca auxiliando o maior relaxamento muscular. A professora e proprietária da Personal Work, Adriane Lafemina explica como fazer o exercício: Deite com as pernas flexionadas, plantas dos pés na cama, mãos abaixo do umbigo e com a ponta dos dedos médios se tocando (se quiser junte os joelhos). Feche os olhos, inspire pelo nariz, sentindo o abdômen inchar: imagine um balão no abdômen, que se enche de ar na inspiração. Expire pelo nariz até o abdômen murchar completamente. Sinta que ao expirar o abdômen se contrai para dentro. Não force sua respiração, nem muito rápida, nem muito profunda, apenas observe seu ritmo. Experimente deixar sua expiração um pouco mais lenta que a inspiração! Faça o exercício de três a cinco minutos.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide