AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Conselhos Úteis



Publicado em: 31/03/2016

O leite é tido como um remédio natural e poderoso e, até os anos 80, era recomendado a pacientes com úlceras no duodeno (parte inicial do intestino delgado, logo após o estômago) para aliviar dores e mal-estar. Mas, ao contrário do que muitos pensam, em vez de aliviar a dor, o leite pode aumentar o desconforto do doente.

O leite tem pH ligeiramente ácido, embora bem menos ácido do que o do suco gástrico produzido pelo estômago. Durante muito tempo acreditou-se que a bebida tinha a propriedade de neutralizar o pH dentro do estômago e diminuir a dor.

De fato, o leite age como uma barreira temporária entre o suco gástrico e a parede do estômago, mas estudos concluíram que ele estimula a produção de ácido, o que pode fazer com que o paciente volte a sentir dor após um período curto de melhora.

Um desses estudos foi feito em 1976. Os voluntários tiveram seus estômagos esvaziados e foram alimentados com leite por meio de uma sonda introduzida no nariz. Uma hora mais tarde, o conteúdo dos estômagos dos participantes passou a ser retirado para medir a quantidade de ácido gástrico produzida.

Os pesquisadores descobriram que o leite provocava um aumento na secreção de ácido gástrico nas três horas posteriores a sua ingestão.
Aliás, isso não acontece apenas quando bebemos leite. Estudos comparando café, chá, cerveja e leite concluíram que todas essas bebidas estimulam a produção de ácido pelo estômago.

Qual seria, então, o ingrediente presente no leite que leva o estômago a produzir mais ácido?

Ácido

Para saber se seria a gordura, os pesquisadores fizeram experimentos comparativos usando leite desnatado (sem gordura), semidesnatado e integral. Os resultados revelaram que os três tipos de leite provocavam aumento na secreção de ácido.

A equipe repetiu o experimento usando leite com pouco cálcio. Nesse caso, a produção de ácido diminuiu, mas houve uma exceção: pacientes que apresentavam evidências de úlceras duodenais, mas sem tinham sintomas naquele momento, produziram mais ácido.

Outro ingrediente que talvez impeça o leite de acalmar seu estômago é a proteína caseína.

Acredita-se que ela estimule a liberação do hormônio gastrina - que, por sua vez, controla a produção do ácido gástrico. Ou que estimule diretamente as células que revestem o interior do estômago - conhecidas como células parietais - para que liberem ácido.

Leite faz mal?

Vale lembrar que beber leite continua sendo importante para a saúde, por ser uma boa fonte de proteínas e cálcio. Mas deixou de ser recomendado a pacientes com úlceras porque, em vez de acalmá-las, pode ter efeito oposto ou até piorá-las.

Em um estudo nos anos 1980, participantes que consumiam bastante leite (quatro copos por dia ou mais) tinham mais probabilidade de desenvolver úlceras, especialmente os homens. As estatísticas revelaram, novamente, que não fazia diferença se o leite era integral ou desnatado.

Estaria o leite provocando as úlceras? Difícil saber: algumas pessoas com dor de estômago tomam leite para melhorar os sintomas temporariamente, então, talvez estejam consumindo mais leite como resultado da úlcera.


Leite é uma boa fonte de proteínas e cálcio

De qualquer maneira, o estudo também identificou, entre participantes que bebiam grandes quantidades de leite e não apresentavam sintomas, maior probabilidade de eles desenvolverem úlceras pépticas.

Então, é difícil estabelecer o que causa o quê.

Em suma, embora o leite cubra temporariamente a parede do estômago, esse alívio terá duração curta - cerca de 20 minutos. Ou seja, pode trazer inúmeros benefícios à saúde, mas não ajuda a amenizar dor estomacal.

E o iogurte?

Há indícios de que o iogurte probiótico - o que contém bactérias produtoras de ácido láctico - tenha efeito benéfico sobre a saúde. Inclusive, o de aliviar a dor e o mal-estar no estômago.

Essas bactérias são saudáveis, presentes natualmente no estômago e na flora intestinal humana.

"Há evidências de que esse iogurte traga benefícios que vão além do fator nutricional", disse à BBC a gastroenterologista Ayesha Akbar, do St Marks Hospital, em Harrow, na Inglaterra. "O número de estudos sobre o assunto é relativamente pequeno, mas a bactéria não vai fazer mal e, se fizer bem, ótimo. Além disso, o iogurte é uma fonte importante de cálcio e proteína."

Akbar disse que pessoas com intolerância à lactose (um tipo de açúcar presente no leite), por exemplo, parecem ter maior facilidade em digerir o iogurte probiótico.
O iogurte também parece ser capaz de alterar a chamada microbiota - grande quantidade de bactérias que vivem em harmonia no corpo humano -, auxiliando a ação do sistema imunológico e a nutrição.

No caso de pacientes que tomam antibióticos - que tendem a desequilibrar a harmonia da microbiota -, o iogurte ajudaria a restabelecer o equilíbrio, explicou Akbar.
"Se você toma iogurte biológico antes de ingerir antibióticos, por exemplo, tem menos probabilidade de ter diarreia associada ao uso do medicamento."
Outros aparentes benefícios do iogurte são combater a prisão de ventre e reforçar nossa imunidade.

Mas voltemos à questão inicial: o iogurte ajuda a aliviar a dor de estômago?

"No caso de uma pessoa com síndrome do intestino irritável, o iogurte pode aliviar esses sintomas. Por tudo isso, nosso conselho é, experimente. E veja o que acontece. Mas tem de ser iogurte probiótico."

A médica fez uma ressalva: para ser vendido como biológico, o iogurte precisa conter bactérias vivas. "Você deve respeitar a data de validade para se assegurar de que as bactérias estejam vivas no momento da ingestão."


Notícias da mídia Exercícios para fazer na cama ao acordar Quando o despertador toca de manhã sempre bate a preguiça de levantar da cama. Mais 10 minutos de soneca e você já está atrasada, não é? Ao longo do dia, o pescoço começa a doer, suas costas também e você já está na terceira xícara de café. Um jeito muito fácil de evitar todos esses problemas é manter uma pequena rotina de exercícios logo que você acorda. Respiração e alongamento ajudam a despertar e dar mais energia, sabia? "Estudos mostram que ao despertarmos pela manhã nossos músculos ficam 10% mais curtos e rígidos devido ao repouso prolongado da noite. O alongamento matinal é de grande importância, além de relaxar a musculatura e o corpo, previne dores que ao longo do dia podem ser sentidas", explica a fisioterapeuta e instrutora de pilates do Fit Body Pilates SPa&Estética, Mariana Novaes. São 6 exercícios bem simples que levam só 5 minutos: stretching 1. Deitada na cama retire seu travesseiro e alinhe bem sua coluna. Estique os braços e as pernas, de modo que seu corpo fique todo esticado. Entrelace suas mãos e estique-as para cima, fazendo uma tração na coluna. Repita esse movimento duas vezes por 20 segundos. 2. Deitada, dobre seus joelhos e leve em direção ao tronco, como se fosse abraçar as pernas. Mantenha por 20 segundos nessa posição e depois repita por mais uma vez. 3. Deitada, apoie seus pés na cama, flexione um pouco seu quadril e leve-o para o lado, deixando sua cabeça para o lado oposto do quadril. (Se levou o quadril para o lado direto, leve a cabeça para o lado esquerdo) Abra bem seus braços e relaxe. Faça dos dois lados, mantendo por 20 segundos na posição de alongamento e repetindo duas vezes. 4. Deitada, apoie os pés na cama unindo-os calcanhar com calcanhar e abra as pernas, fazendo a famosa posição da borboleta. Mantenha na postura de alongamento durante 20 segundos repetindo 2 vezes o movimento. 5. Sentada com o corpo ereto, pegue o braço direito e leve em direção a cabeça, puxando-a para o lado direito. Você irá sentir alongar a região do músculo trapézio e a região cervical do lado contralateral. Repita esse movimento por duas vezes mantendo por 20 segundos e repita no outro lado. 6. Todos os alongamentos devem ser associados a uma respiração lenta e profunda, inspirando o ar pelo nariz e expirando pela boca auxiliando o maior relaxamento muscular. A professora e proprietária da Personal Work, Adriane Lafemina explica como fazer o exercício: Deite com as pernas flexionadas, plantas dos pés na cama, mãos abaixo do umbigo e com a ponta dos dedos médios se tocando (se quiser junte os joelhos). Feche os olhos, inspire pelo nariz, sentindo o abdômen inchar: imagine um balão no abdômen, que se enche de ar na inspiração. Expire pelo nariz até o abdômen murchar completamente. Sinta que ao expirar o abdômen se contrai para dentro. Não force sua respiração, nem muito rápida, nem muito profunda, apenas observe seu ritmo. Experimente deixar sua expiração um pouco mais lenta que a inspiração! Faça o exercício de três a cinco minutos.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide