AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Auto-Ajuda



Publicado em: 17/09/2013

Muitos acreditam que, em matéria de exercícios, quanto mais, melhor. Essa afirmação não se baseia apenas no bom senso. Alguns estudos demonstraram que praticar atividades físicas com mais frequência e intensidade pode trazer benefícios à saúde. No entanto, ainda não há muitas pesquisas sobre a periodicidade ideal de exercícios para idosos, sobretudo para os que já passaram dos 60 anos.

Esse cenário levou um grupo de pesquisadores da Universidade do Alabama em Birminghan, na Inglaterra, a estudar com que frequência mulheres nessa faixa etária devem realizar atividades físicas. Curiosamente, descobriram que um dia por semana pode ser suficiente para aumentar de forma considerável o nível de força e resistência.

Contrariando a recomendação de muitos profissionais do esporte e da saúde (que recomendam praticar exercícios pelo menos três vezes por semana, independentemente da idade), a nova pesquisa aponta que mulheres com mais de 60 anos que se exercitam uma vez por semana podem adquirir a mesma força muscular e melhorias cardiovasculares que as que praticam exercícios com mais frequência.

O estudo, conduzido pelo professor Gordon Fisher e publicado no Journal of Strength and Conditioning Research, baseia-se na análise de 63 mulheres, divididas em três grupos, que realizaram exercícios aeróbicos e de resistência durante quatro meses.

O primeiro grupo praticava exercícios uma vez por semana, o segundo, duas, e o terceiro, três. Depois desse período, os pesquisadores analisaram o aumento de força e resistência de cada participante, e descobriram que não havia diferenças significativas entre os grupos.

Após quatro meses de atividade, as mulheres aumentaram sua eficiência e capacidade de realizar atividades do dia a dia, como sentar, levantar, caminhar e subir escadas. No início do estudo, por exemplo, cada participante realizou uma caminhada leve de mais de 4 quilômetros para determinar a frequência cardíaca e o consumo de oxigênio. A média foi de 110 batimentos por minuto, mas este número caiu para 92 depois de quatro meses de exercícios. Além disso, todas as mulheres tiveram um aumento significativo de massa muscular, apesar de não terem perdido peso.

A descoberta pode ser um grande incentivo para que mulheres idosas façam exercícios pelo menos uma vez por semana. A recomendação geral é de três a cinco dias por semana, mas o tempo e a disposição para a prática podem ser um grande empecilho. Por isso, os pesquisadores indicam que um programa de baixa periodicidade, composto de exercícios aeróbicos e de resistência física, pode ser o método ideal para mulheres nessa faixa etária.





AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide