AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Auto-Ajuda



Publicado em: 20/02/2012

A gente sempre ouve falar da importância do otimismo, de se pensar positivo sempre. Mas, afinal, qual é a verdadeira utilidade de se ver o copo sempre meio cheio? Pode até ser que o pensamento, por si só, não faça milagres, mas especialistas garantem que a forma como vemos o mundo nos permite ver mais – ou menos – as boas oportunidades que podem aparecer pelo caminho.

O otimismo é uma expressão bastante usada no dia a dia, mas seu significado popular não difere muito do psicologicamente aceito. De acordo com o Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, o otimismo pode ser uma "atitude em face dos problemas humanos ou sociais que consiste em considerá-los passíveis de uma solução global positiva, do que resulta uma posição geral ativa e confiante". Para a psicóloga e professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP) Leila Tardivo, "otimismo é a capacidade de tirar da realidade os aspectos positivos da vida. É ter esperança".

O otimismo, ao contrário do que alguns podem pensar, não tem absolutamente nada a ver com a idade. "Uma pessoa madura, que tem mais experiência de vida e, talvez, mais desilusões, pode ver a vida de uma maneira mais pessimista do que uma pessoa mais jovem, que ainda está deslumbrada com as possibilidades. Da mesma maneira, a pessoa madura pode ver mais beleza na vida enquanto um jovem está se afundando em álcool e drogas. Parece que a idade deixa as pessoas um pouco menos otimistas, mas algumas ainda mantém uma atitude mental de mais esperança", pondera Leila.

Algumas pessoas ainda podem acreditar que nossos pensamentos não influenciam, de fato, a realidade. Para Leila isso não deixa de ser verdade, mas existe outra maneira de ver as coisas. "Acreditar que nossos pensamentos viram realidade é crença de criança pequena. Temos que ter cuidado com essa ideia mágica. Na realidade, o que acontece é que a gente se predispõe a enxergar aquilo que a gente pensa que vai enxergar. Essas coincidências que podem acontecer ficam mais na linha da predisposição. É como o dito: 'querer é poder'. Se você sonha, planeja e pensa que vai conseguir, pode, sim, conseguir. O pensamento pode ser muito motivacional", diz.

Assim, embora não seja possível que um pensamento vire realidade, é muito importante acreditar que sim. "O pensamento positivo permite que se abram possibilidades na vida que, se a pessoa não estiver atenta, não vai ver. Mas o otimismo sozinho não resolve. Tem que estar aberto aos aspectos positivos da vida. O desejar é um estímulo para conseguir, pois favorece a abertura para novos horizontes e novas possibilidades. Mesmo assim, não devemos fechar os olhos para as dificuldades, caso contrário, não conseguiremos vencê-las", conclui Leila.


A gente sempre ouve falar da importância do otimismo, de se pensar positivo sempre. Mas, afinal, qual é a verdadeira utilidade de se ver o copo sempre meio cheio? Pode até ser que o pensamento, por si só, não faça milagres, mas especialistas garantem que a forma como vemos o mundo nos permite ver mais – ou menos – as boas oportunidades que podem aparecer pelo caminho.

O otimismo é uma expressão bastante usada no dia a dia, mas seu significado popular não difere muito do psicologicamente aceito. De acordo com o Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, o otimismo pode ser uma "atitude em face dos problemas humanos ou sociais que consiste em considerá-los passíveis de uma solução global positiva, do que resulta uma posição geral ativa e confiante". Para a psicóloga e professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP) Leila Tardivo, "otimismo é a capacidade de tirar da realidade os aspectos positivos da vida. É ter esperança".

O otimismo, ao contrário do que alguns podem pensar, não tem absolutamente nada a ver com a idade. "Uma pessoa madura, que tem mais experiência de vida e, talvez, mais desilusões, pode ver a vida de uma maneira mais pessimista do que uma pessoa mais jovem, que ainda está deslumbrada com as possibilidades. Da mesma maneira, a pessoa madura pode ver mais beleza na vida enquanto um jovem está se afundando em álcool e drogas. Parece que a idade deixa as pessoas um pouco menos otimistas, mas algumas ainda mantém uma atitude mental de mais esperança", pondera Leila.

Algumas pessoas ainda podem acreditar que nossos pensamentos não influenciam, de fato, a realidade. Para Leila isso não deixa de ser verdade, mas existe outra maneira de ver as coisas. "Acreditar que nossos pensamentos viram realidade é crença de criança pequena. Temos que ter cuidado com essa ideia mágica. Na realidade, o que acontece é que a gente se predispõe a enxergar aquilo que a gente pensa que vai enxergar.

Essas coincidências que podem acontecer ficam mais na linha da predisposição. É como o dito: 'querer é poder'. Se você sonha, planeja e pensa que vai conseguir, pode, sim, conseguir. O pensamento pode ser muito motivacional", diz.

Assim, embora não seja possível que um pensamento vire realidade, é muito importante acreditar que sim. "O pensamento positivo permite que se abram possibilidades na vida que, se a pessoa não estiver atenta, não vai ver. Mas o otimismo sozinho não resolve. Tem que estar aberto aos aspectos positivos da vida. O desejar é um estímulo para conseguir, pois favorece a abertura para novos horizontes e novas possibilidades. Mesmo assim, não devemos fechar os olhos para as dificuldades, caso contrário, não conseguiremos vencê-las", conclui Leila.





AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide