AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Auto-Ajuda



Publicado em: 18/03/2016

1. Momentos após sermos surpreendidos pela separação, o nosso ritmo cardíaco cai, sugere uma pesquisa da Revista Psychological Science que observou o ritmo cardíaco das pessoas logo após uma rejeição social que elas não estavam esperando (os pesquisadores com quem conversamos disseram que a rejeição romântica pode definitivamente ser considerada uma forma de rejeição social).

2. Uma vez que passa o choque inicial, um estresse emocional maior é instalado (O que eu fiz de errado? Vou ficar para sempre sozinho? É hora de adotar gatos?).

Esse estresse pode acelerar o seu sistema nervoso simpático, que também leva a um aumento no nível do cortisol e inflamação. Seu sono, digestão e imunidade podem sofrer também (você fica acordado às noites, sem apetite e parece ficar resfriado o tempo todo).

Em casos bem raros, esse estresse pode realmente partir seu coração, de certa forma. Um pequeno estudo publicado no New England Journal of Medicine descobriu que a angústia emocional causa sérios danos ao coração em alguns pacientes sem doenças cardíacas coronárias, possivelmente por causa de uma resposta exagerada no sistema nervoso simpático.

3. Parece que você sente uma dor física. Isso acontece porque as regiões cerebrais que processam a dor da rejeição social ou da perda também processam as dores físicas, de acordo com a pesquisa publicada no Current Directions in Psychological Science.

4. Você não pensa direito (ex. fica esperando pela reunião semanal às quintas, quando ainda é terça) e você é bem mais impulsivo do que o normal. As habilidades de pensamento crítico e autocontrole decaem muito depois de uma rejeição social, de acordo com a pesquisa.

5. Você jurou que não faria, mas olhou a foto dos dois ou deu uma olhada na página do Facebook dele ou dela. As áreas do seu cérebro mostram uma maior atividade quando você está “alto” ou com desejos de usar drogas acendendo como resposta à imagem daquela pessoa especial, foi o que descobriu a pesquisa publicada no Journal of Neurophysiology.

Isso significa que você ainda está sendo poderosamente atraído por essa pessoa. O que mais isso diz naquele momento? Que o seu cérebro ainda acha que você está perdidamente apaixonado e feliz.

Mas o seu cérebro também está tentando ajudá-lo. As áreas que controlam ajustes comportamentais (ex. é hora de parar de seguir o seu ou sua ex) e pensar em direção a um futuro ("Parece uma morte cruel agora, mas vai ficar tudo bem, e não, o dia de adotar gatos não está nem um pouco próximo") também estão se acendendo.

6. No início, a única pessoa que você está interessada em conversar é com o entregador de pizza ("Oi" e "obrigada " conta como conversa, certo?). Mas eventualmente essa fase passa, a medida que os níveis de progesterona aumentam quando você começa a se sentir sozinho. E isso é algo muito bom— os pesquisadores dizem que os hormônios podem motivá-lo a buscar o contato social.

7. Meses mais tarde, mesmo que você tenha virado a página, você pode notar bem mais cabelo caindo no ralo, muito mais do que o normal. Uma situação de muito estresse, inclusive de tipo emocional, pode alterar o crescimento do folículo capilar para um “modo de descanso”, um estado chamado eflúvio telógeno. (A afinada no cabelo não começa até uns três meses do estresse ter começado por causa do ciclo de crescimento do seu cabelo). Não se preocupe, no entanto— ele vai voltar a crescer.





AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide