AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
Últimas Notícias


Publicado em: 02/11/2018

Enquanto você procura e seleciona um curso online para desenvolver suas habilidades e turbinar sua carreira, confira abaixo 7 perguntas que você deve fazer a qualquer potencial fornecedor de aprendizado ou, como chamamos no IMD, parceiro de aprendizado.


1. Esse curso vai ser útil para minha carreira?

Fornecedores inescrupulosos, que ficam de olho no número do seu cartão de crédito, certamente responderão um sonoro "sim", mas pode ser apenas uma dissimulação. Para que essa pergunta seja apropriadamente respondida, você deve ser claro quanto aos seus próprios objetivos de aprendizado.

Se você não sabe por que está se matriculando em um curso, é melhor parar e pensar. Se você está disposto a investir entre 4 e 6 horas por semana por cima de uma já ocupada rotina que envolve profissão, família, atividades esportivas e outros hobbies, primeiro você precisa ser bastante claro em relação ao que você busca nessa experiência.

Nos cursos online do IMD, a primeira pergunta que será feita a você no formulário de matrícula, bem como na primeira interação com o seu instrutor, tratará dos seus propósitos e objetivos específicos. Essa será a medida pela qual você decidirá se o curso gerou um forte retorno sobre o investimento pessoal e se gerou um impacto significativo.

Se você não tem certeza de para onde está indo, dificilmente chegará a algum lugar. Cuidado com fornecedores que querem simplesmente vender um curso. Se envolva com parceiros de aprendizado que se engajam em discussões sobre o que você deseja conquistar ou onde quer chegar.

2. Quem são as outras pessoas no curso?

Qualquer curso online que se preze envolverá interações regulares entre você e outros integrantes do curso de várias maneiras. Interação completa, normalmente por meio de um fórum de discussões, será útil para permitir que você compartilhe as melhores práticas com os outros e para deixar claro que você não é o único profissional do mundo passando por um problema ou desafio em particular.

Interações em grupo -- idealmente de 5 a 8 participantes -- permitirá que você forme relacionamentos fortes com uma parte da turma, provocará debates robustos em torno de pontos de vista conflitantes e garantirá oportunidades para que, em conjunto, sejam aplicados conceitos e modelos para um determinado desafio nos negócios.

Um designer instrucional sagaz preparará exercícios com foco na familiarização com um conjunto específico de ferramentas de negócios. Em essência, não é a resposta que importa, e sim a oportunidade de trabalhar seus músculos cerebrais e obter prática com uma ferramenta que, posteriormente, você poderá aplicar em seu próprio campo de negócios.

Trabalhos em dupla permitem um aprofundamento da conexão entre dois indivíduos e encoraja a disseminação. Também garantem a capacidade de se sentir confortável compartilhando detalhes particulares acerca de um desafio real que você enfrenta, levando a um feedback personalizado e novos insights vindos de um outro ponto de vista.

É claro que todos os aspectos acima só podem atingir o completo potencial se os outros participantes tiverem experiências significativas e relevantes para compartilharem. Se o único critério para participar de um curso for acesso à internet e banda larga com limite aceitável, esteja preparado para interações medíocres e conselhos questionáveis que mais lembram um cego guiando outro cego. Se ninguém lhe perguntar de cara qual a experiência que você pode trazer para o grupo, melhor ficar de fora.

3. Qual a diferença entre esse e outros programas online que tenho acompanhado, como MOOCs?

É altamente provável que você, lendo este artigo, já tenha passado por alguma experiência de aprendizado online, que podem ir de uma aula terrivelmente chata de saúde e segurança no trabalho (também conhecida como slides de powerpoint, narrações ou textos escritos entediantes, questionários de múltiplas escolhas que até seu cachorro poderia responder) a uma experiência transformacional engajadora que mantém sua motivação em alta e fazem com que você, de bom grado, sacrifique um pouco mais de tempo para permanecer no curso.

O que faz a diferença entre eles? Em última análise, são três fatores: o design do curso, os valores de produção e os mecanismos de entrega.

Pense na última vez em que você foi sequestrado na última reunião de família para folhear o álbum de fotos do tio João. Após uma cansativa sessão de uma hora de fotos aleatórias, apresentadas de maneira aleatória, muitas delas semelhantes às anteriores, algumas borradas que mostravam apenas alguns pés, e você começa a entender o propósito.

Talvez, no entanto, você tenha sido afortunado o suficiente para ser convidado para a estreia mundial do fim de semana da sua sobrinha Sara em um iMovie-a com fotos cuidadosamente selecionadas e projetadas em uma tela de forma cronometrada, apoiada pela música Galway Girl, de Ed Sheeran, na trilha sonora, com um tempo total de sete minutos (talvez tenha até pedido um link como lembrança).

Com o aprendizado online não é diferente -- bem desenhado, bem produzido e bem entregue, as melhores experiências podem ser identificadas de longe. Peça algumas amostras de vídeos que serão exibidos no programa. Se você notar imagens de uma sala de aula, cabeças falantes e slides estáticos, pode ser mais vantajoso fugir da proposta. Por outro lado, se você pensar que está assistindo a um trailer de filme no YouTube, provavelmente estará em boas mãos.

4. Meu instrutor tem qualificação para me ajudar?

Instrutor? Que instrutor? Um curso online sério não deixará você à deriva sozinho com um dispositivo eletrônico na mão. Um programa autodidata que depende de uma vontade de ferro do aluno para vagar entre múltiplas telas, sem feedbacks nem mecanismos de apoio, é como assistir à tinta secar. Não há grandes chances de aprendizado em cursos assim.

Se, por outro lado, você tiver um instrutor que ajude você a refletir não apenas sobre o que você tem visto e lido, mas também -- e mais importante -- aplicado, você está no caminho certo do consumo de conhecimento e aplicação do aprendizado. Saber que precisa correr cinco quilômetros por dia e colocar os sapatos são duas ações completamente diferentes -- e apenas uma trará resultados.

É claro, como foi mostrado recentemente na Copa do Mundo da Rússia, alguns técnicos são melhores equipados e qualificados do que outros. Pergunte ao fornecedor do curso quem será seu instrutor. Se a resposta for "outros participantes" ou "alunos formados em outras turmas", pode disparar os sinais de alerta. Se seu instrutor não é qualificado, por que ouvi-lo?

5. Posso acessar o curso enquanto viajo?

Se o seu curso online não inclui acesso mobile ou, melhor ainda, um aplicativo, você provavelmente não irá concluí-lo. Pergunte a si mesmo quanto tempo você passa por dia com um celular e logo verá porque isso é verdade.

O canal de consumo número um do seu tempo é o seu dispositivo inteligente. Se o seu aprendizado online desvia você do que já se tornou uma extensão da sua mão, não há grandes chances de sucesso.

Também é extremamente importante verificar se você pode assistir aos vídeos e consumir conteúdo offline. Por que? Essa capacidade permite que você transforme intervalos estéreis de tempo durante viagens, por exemplo, em momentos de microaprendizado.

Em um mundo no qual o tempo é cada vez mais escasso, a filosofia 'carpe diem' também se aplica à sua agenda de aprendizado, assim como a qualquer outra atividade que compete por seu tempo e atenção.

6. Quantas pessoas completaram o curso?

Se poucas pessoas cruzaram a linha de chegada, é possível dizer, por instinto, que esse é um mau sinal. Um programa mal executado implica em alunos pouco motivados e em escassez de medalhas de ouro.

Como identificar um bom número de egressos? Os programas abertos online do IMD têm uma taxa de conclusão superior a 90%. É raro que nossos alunos não completem e é mais raro ainda que eles não tenham uma experiência significativa de aprendizado.

Se você não tem uma resposta clara acerca dessa questão, proceda com cautela ou simplesmente não proceda.

7. Posso conversar com antigos participantes?

Se esse canal estiver fechado para você, desista. Todo fornecedor sabe alardear suas vantagens, abrirá suas brochuras para download, encantará você com vídeos dignos de Oscar.

Mas, ao final do dia, o que realmente importa é o feedback de pessoas que passaram pelo programa. E não pergunte apenas "você gostou? Foi bom", e sim "o que exatamente você aprendeu? O que você está fazendo de diferente hoje que não estava fazendo antes? Seus colegas, chefes, diretores perceberam a diferença?" Essas são algumas questões importantes para os egressos dos cursos.

Em resumo, siga em frente no território do aprendizado online armado com perguntas precisas e esperando respostas também precisas. Você deve a si mesmo a certeza de que a jornada de aprendizado na qual você está disposto a embarcar é meticulosamente planejada, soberbamente executada e tem os guias certos que mostrarão não apenas o roteiro padrão, mas também levarão você a lugares que talvez lhe deixem até desconfortáveis -- mas, em última análise, levarão a uma experiência mais rica, memorável e impactante.

Talvez você até queira tirar vantagem disso em seu próprio e cativante iMovie.

(Paul Hunter)
AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide