AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
Últimas Notícias


Publicado em: 09/10/2018

"O capital de giro é o oxigênio da empresa: são os recursos necessários para que a engrenagem do negócio se movimente no dia a dia.

“O que a empresa tem aplicado em estoque, o fluxo de pagamento de impostos e de fornecedores, o recebimento de clientes, tudo isso compõe o capital de giro”, explica o chefe do Departamento de Clientes e Relacionamento Institucional do BNDES, Tiago Peroba.

Quando, por algum motivo, faltam recursos de giro, todo o negócio pode estar comprometido. 

Para ajudar as empresas nesses momentos, o mercado oferece uma série de linhas de crédito, que apresentam variadas taxas, prazos e acessibilidade. Tiago Peroba explica que o melhor momento para recorrer a esse aporte financeiro é antes de precisar: “um dos principais erros dos empresários é buscar recursos quando ele já não tem mais fôlego, o que faz com que acabe pegando qualquer tipo crédito disponível no mercado, em geral com altas taxas e prazos encurtados de pagamento”, afirma. 

Alguns dos fatores que podem levar o empresário a procurar uma linha de crédito são a diminuição das vendas, dificuldades no recebimento, o aumento de taxa de inadimplência, entraves na negociação de prazos e valores com fornecedores, o aumento do preço da matéria-prima, e a necessidade de aumento do estoque. 

“O planejamento e o controle gerencial são fundamentais para uma empresa avaliar se ela vai precisar ou não de capital de giro nos próximos meses e, assim, se antecipar para conseguir as melhores condições”, reforça Peroba. 

Gestão e fluxo 

O consultor Flavio Locatelli Junior, da Unidade de Ambiente e Negócios Empresariais, do Sebrae/PR, reforça a importância do empresário conhecer o fluxo financeiro da empresa com clareza.

“Estoque, recebimentos, pagamentos, período de sazonalidade do mercado em que ele está inserido. Tudo isso precisa ser contemplado no planejamento e na projeção, que deve ser, no mínimo, para o ciclo de 12 meses. A empresa deve administrar os custos para ter uma sobra e aguentar os períodos de baixa”.

Para o consultor é importante que, antes de recorrer a uma linha de crédito, o empresário saiba olhar para dentro do seu negócio e analisar quando realmente precisa de um aporte externo ou se não está apenas tratando os efeitos sem analisar as causas. 

Foi isso que fez o empresário Helio Nunes de Oliveira, da Ville Ferragens, de Curitiba, empresa da área de construção civil, que no começo desse ano recorreu a uma linha de crédito para capital de giro no valor de R$ 100 mil pensando no crescimento da empresa. “Meu faturamento maior vem de prestação de serviço para órgãos públicos, que tem um prazo grande – em média entre 30 a 90 dias – entre a licitação e o primeiro recebimento. Então, nesse intervalo eu preciso ter caixa”, explica. 

Nesse sentido, Locatelli ressalta que saber os prazos que envolvem as operações financeiras da empresa é fundamental, como o tempo médio de pagamento e de recebimento junto aos clientes. 

“Se ele está pagando antes de receber, ele precisa ter mais capital de giro. Ou se ele comprou muita mercadoria ou matéria-prima e vai demorar a receber o retorno desse investimento, ele também está deixando parado um recurso financeiro que poderia estar no caixa.”  

Dinheiro em caixa garante competitividade 

O valor do aporte irá depender da necessidade individual de capital de giro e isso é definido com base em fatores como datas de recebimento de vendas e de pagamentos de fornecedores. “Isso é o grande ciclo financeiro do negócio e é o que vai impactar numa maior ou menor necessidade de aporte de capital de giro”, explica Peroba. 

Não é exagero afirmar que uma empresa com capital de giro é mais competitiva do que outra que não está com sua saúde financeira em dia: com mais potência e capacidade de negociação com fornecedores, é possível baixar os preços ou aumentar os prazos para os clientes.

“A competitividade advém de diversos fatores. Quando você tem pouco capital de giro, não tem margem para negociar. Se eu parcelo em cinco vezes e meu concorrente consegue parcelar em 12, ele está mais competitivo do que eu. Se eu quiser igualar esse prazo, vou aumentar o meu prazo de recebimento, e para isso eu preciso ter o capital de giro em caixa. Ou seja, esse recurso me torna, sim, mais competitivo”, exemplifica Tiago Peroba. 

Crédito para quem precisa crescer 

Uma das opções do mercado para micros, pequenas e médias empresas é o BNDES Giro, uma linha oferecida desde 2017 que tem as vantagens de ser acessível e simplificada.

“Temos uma plataforma, a www.bndes.gov.br/giro, onde é possível consultar as informações e verificar as instituições financeiras mais próximas para realizar o empréstimo”.

Outro destaque do produto é o prazo alongado de pagamento: cinco anos no total e até dois anos de carência. “Nesses dois anos, a empresa tem a possibilidade de não pagar o principal da dívida, apenas os juros, isso vai dar o fôlego que ela está precisando.” 

Tiago Peroba conta, ainda, que como as condições da linha são diferenciadas, muitas empresas estão utilizando o produto para fazer a aplicação dos recursos com foco em investimento – e não em giro. “É um crédito mais descomplicado, por isso muitas vezes as empresas estão preferindo o Giro a linhas específicas para investimento.” 

O especialista explica que isso é possível e que, embora uma das características das linhas de crédito para investimento e inovação seja um prazo ainda maior do que o de giro, nada impede que uma empresa que tenha um fluxo que permita um prazo mais encurtado de recebimento advindos daquele investimento, se beneficie do produto.

“Se a empresa conseguir ‘casar os prazos’, ou seja, alinhar o retorno do investimento com o pagamento da dívida, essa é sim uma possibilidade, tanto que temos visto isso em larga escala por aqui”, observa. "


(BNDES)
AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide