AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Últimas Notícias


Publicado em: 08/07/2018

Fofocas costumam ser mal vistas de qualquer ângulo. Ninguém gosta de ser alvo delas, e quem faz, não admite--ainda fica mal visto se descoberto. Fofocas podem levar danos a quem é tema da conversa e, há quem diga, até para o autor, que pode ser acometido por insônia e outros distúrbios.

Mas outros estudos, coletados em um artigo do The Atlantic, mostram que fofocar pode ser benéfico. Para começar, é uma das formas de despertar a curiosidade das crianças, que, a partir dos cinco anos de idade, têm a maior parte de suas conversas sobre outra que não está presente. Esse foi o tema de estudo de psicólogos ingleses em 2016, e uma das conclusões foi que falar de outras crianças leva os pequenos fofoqueiros a identificar pessoas confiáveis e desenvolver laços afetivos.

Mas não se trata apenas da inocência da infância. Em um experimento social na década de 1990, que envolveu 1,7 mil situações de conversa entre grupos de duas a sete pessoas, o psicólogo inglês Robin Dunbar verificou que apenas 4% dos bate-papos envolvia “comentários maliciosos” sobre terceiros. Mesmo quando o assunto era alguém ausente, os comentários giravam mais em torno de curiosidades sobre as pessoas do que julgamentos ou críticas.

Mesmo quando há má-intenção na fofoca, ela pode despertar reações não esperadas em quem ouve.

Foi o que percebeu o grupo liderado por Elena Martinescu em pesquisa na Universidade de Groningen, na Holanda. Eles observaram que, ao ser exposto a comentários maldosos sobre outra pessoa, a reação padrão do sujeito tende a ser refletir e tirar uma lição sobre o comentário. E, se foi algo elogioso, a pessoa geralmente procura formas de absorver para si a qualidade que foi comentada sobre outra pessoa.

E, se ninguém está livre de ser alvo de fofocas, sempre é possível se sair bem da situação.

Psicólogos da Universidade de Berkeley, Estados Unidos, descobriram que pessoas que são “isoladas” de algum grupo devido a algum comportamento egoísta – que sempre é comentado pelos demais – tendem a repensar sua atitude quando descobre que foi alvo dos rumores. Geralmente, eles buscam agir de nova maneira para reconquistar o respeito de quem o deixou de lado.

Ou seja, se a intenção ao fofocar for causar danos morais ou sociais a alguém, é melhor deixar a ideia de lado. A maior probabilidade é de que, se a conversa for descoberta, aquele alvo só ganhe em autoestima.


AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide