AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Últimas Notícias


Publicado em: 11/02/2018

O headhunter Renato Trindade, especialista em recrutar os melhores profissionais, listou algumas dicas que o candidato não deve fazer na entrevista de emprego .

1) Evite frases prontas

"Quem é vendedor vende qualquer coisa". O bordão ouvido diversas vezes pelo especialista é apenas uma das muitas frases prontas que um candidato não deve dizer no momento da entrevista. Trindade explica que em momento nenhum é interessante para o recrutador ouvir isso, porque para vender é necessário muito preparo e estudo para o vendedor, ele deve compreender exatamente as necessidades do cliente.

Segundo o especialista, é muito mais interessante o candidato mostrar – de forma breve – quais as estratégias ele utiliza para bater metas e realizar um bom trabalho. Desta forma, o recrutador consegue compreender como a pessoa lida com o cotidiano profissional e o que ele faz diante das adversidades.

2) Não cite apenas pontos positivos

Para complementar a primeira dica, o headhunter também avalia que não é muito convincente para o entrevistador ouvir apenas que o candidato é muito bom em bater metas e que é muito eficiente. Nesse momento, também é interessante falar de seus pontos negativos e o que você espera desenvolver como profissional. Isso demonstra que o candidato é uma pessoa humilde, que reconhece as próprias limitações.

Trindade complementa dizendo que ninguém é um super-herói que apenas teve conquistas na vida profissional. A mesma lógica aplicada na primeira dica se aplica aqui. Ao apontar esses aspectos não tão positivos assim, o entrevistador pode apurar como o candidato lida com os problemas, como ele faz para superá-los e ele garante que isso é muito mais interessante do que apenas ouvir “eu sempre bato minhas metas”.

3) Não fale mal da empresa passada

Quando o candidato fala mal da antiga empresa ou chefe, a primeira coisa que o entrevistador vai pensar é que se aquela pessoa for demitida, ela imediatamente vai fazer o mesmo com a sua empresa, ou seja, falar mal dela. É importante que o candidato pense sobre os aprendizados e aspectos positivos que viveu no outro emprego.

Não é novidade que a Operação Lava Jato vem revelando nomes de diversas empresas envolvidas nos esquemas de corrupção. E mesmo nesse cenário, Trindade diz que não é bom o candidato apontar suas indignações sobre o ocorrido, porque até mesmo essa companhia foi capaz de trazer resultados positivos para ele como profissional, e é importante citá-los.

4) Cuidado ao ser muito amigável na entrevista

Primeiramente, o entrevistador deve se adaptar ao candidato, ou seja, se o entrevistado for muito informal, é natural que a conversa se direcione para algo mais descontraído. Mas isso deve ser equilibrado, porque o que o recrutador está avaliando são os quesitos técnico e profissional.

"A informalidade pode acontecer em um momento inicial, ou enquanto você estiver falando sobre a sua vida pessoal. Mas quando a conversa chegar na vida profissional, prevalece um diálogo mais sério", diz Trindade. Ele também destaca que o candidato deve entender que o entrevistador não é um amigo, com quem se pode brincar livremente.

5) Ir de social em uma empresa informal é uma boa opção?

O dresscode padrão de roupa social para homens e mulheres vem caindo cada vez mais em desuso nas empresas, principalmente em companhias mais informais, de tecnologia ou startups de outros segmentos. Nesses casos, Trindade cita que costuma ouvir de responsáveis pela contratação que o candidato "pode ir de bermuda e chinelo que eu vou contratar".

A regra de uma roupa mais formal vale para instituições voltadas para o mercado financeiro, que são na essência mais'quadradas'. A questão da vestimenta é muito mais fluida do que parece e, por isso, o candidato deve pesquisar muito bem sobre o lugar que ele está indo, pois é nessa apuração que ele identificará a cultura da empresa e como ela se porta diante de algumas questões, além de tirar conclusões sobre como se vestir na entrevista de emprego.

Na dúvida, Trindade diz que é preferível pecar mais pelo formal do que pelo informal.

6) Não faça perguntas banais

Sim, essa dica é para os candidatos. Muitos especialistas afirmam que é interessante o aspirante à vaga fazer perguntas durante a entrevista, mas o headhunter aconselha que não adianta fazer perguntas somente por fazer. Mas o que seriam perguntas desinteressantes?

Perguntas cujas respostas são facilmente encontradas no próprio site da empresa, uma vez que essas respostas estão expostas ao público. "Em vez de perguntar qual o resultado financeiro da empresa, o candidato pode questionar quais as estratégias a companhia vêm adotando para conseguir números positivos, porque essas são informações que muitas vezes não são divulgadas", exemplifica Trindade.

É interessante perguntar quais são os próximos passos da empresa. O candidato deve saber essas coisas porque não é somente a empresa que está em uma posição de escolha, mas também o entrevistado quem está escolhendo um emprego. Pontualidade e sinceridade são dicas que sempre vale a pena reforçar.

Trindade diz que mentir para a empresa nunca é uma boa ideia, visto que mais cedo ou mais tarde o departamento de Recursos Humanos vai descobrir a verdade e que também em algum momento aquilo vai ser cobrado. Para concluir, Trindade avalia que é essencial o candidato ir animado a para entrevista de emprego, com uma boa energia. "Por mais que o momento seja duro, vá de cabeça erguida, com pensamentos positivos", indica.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide