AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Últimas Notícias


Publicado em: 11/10/2017

Ter uma aposentadoria digna é desejo de inúmeros brasileiros. Mas fique atento: enquanto algumas pessoas não fazem nada para poder se aposentar bem, outras fazem as coisas erradas!

Esse problema passa por duas causas: a primeira é a falta de educação financeira das pessoas; a segunda, e mais grave, por muita desinformação promovida por determinados grupos de interesse, que não só propagandeiam coisas que não ajudam você, mas também escondem de todos algo que vai melhorar a sua vida financeira!

Como a missão do GuiaInvest é difundir a educação financeira para o máximo de pessoas possível, elaboramos uma lista com as 13 coisas que você deve parar de fazer para não ter uma aposentadoria miserável.

Alguns desses hábitos você pode parar de fazer imediatamente.



1 - Não poupar dinheiro

Pode parecer óbvio, mas não há como ter uma aposentadoria confortável se você gastar mais do que você ganha. Ou você vai queimar o seu patrimônio, ou vai se endividar. E nenhuma dessas coisas vai ajudar você.

É normal que muitas pessoas vivam com um orçamento apertado, mas em muitos casos o descontrole financeiro é decorrente da falta de organização e planejamento.

Não esqueça de uma regra: poupar é necessário, mas não o suficiente! A Liberdade Financeira é uma aliança entre o hábito de poupar e de fazer bons investimentos com frequência.

2 - Não buscar educação financeira

Pense : se todos tivessem uma boa educação financeira, talvez um guia nem precisasse existir.

Não temos educação financeira nas escolas e nossos pais também não nos estimularam a buscar esse conhecimento, na maioria dos casos.

Educação financeira é uma disciplina essencial à vida de cada um, e quanto mais cedo começarmos, melhor.

Se você tiver filhos, incentive eles a terem uma boa relação com o dinheiro.

3 - Depender apenas do INSS

Esse assunto é muito polêmico e inclusive é motivo para discussões mais acaloradas.

Uns dizem que a Previdência está quebrada. Outros apontam que o sistema previdenciário está com as contas em dia se considerados todos os impostos recolhidos que são destinados à Previdência Social.

Mas para a sua vida financeira esse debate pouco importa.

Independente da sua opinião sobre o assunto, esteja você certo, esteja você errado, você não pode confiar o seu futuro em coisas que você não tem o controle.

Se você ainda é jovem, muitas reformas podem ocorrer nas regras da previdência até você poder se aposentar, então, ainda que você contribua para o INSS, o ideal é ver isso como uma renda extra, não como a sua principal fonte de renda na aposentadoria.

Se tudo der errado, você estará preparado.

4 - Fazer uma Previdência Privada de banco (A Grande Armadilha da Aposentadoria)

Preste muita atenção no que você vai ler agora!

Com medo dos ajustes na Previdência Social, qual a primeira coisa que vem à cabeça de muita gente?

“Bom, se não posso contar com a previdência pública, vou fazer uma previdência privada!”

Esse é o MAIOR ERRO que você pode cometer! Os planos de Previdência Privada (PGBL e VGBL) possuem inúmeros custos embutidos, mordem grande parte do seu patrimônio com taxas de carregamento (taxa sobre os seus aportes mensais), além de engessar o seu dinheiro por muitos anos.

E o pior de tudo, quando você se dá conta que fez um péssimo investimento, existe um alto custo de saída...

Os números não me deixam mentir: um estudo recente mostrou que somente 3 dos 78 planos de previdência dos maiores bancos privados e seguradoras do país tiveram rendimento acima da caderneta de poupança!

Nenhum desses planos superou o rendimento do Tesouro Selic, o título público mais conservador de todos.

Esse é o custo da falta de educação financeira e quanto mais perdemos, mais o sistema ganha.



5 - Comprar Títulos de Capitalização

Esse produto é o favorito dos gerentes do banco. Eles convidam você a ficar durante 3 anos aplicando uma certa quantidade de dinheiro nesses títulos, com o direito de concorrer a um sorteio todo final de semana.

Nesse sorteio, você concorrerá a um prêmio de algumas dezenas de milhares de reais... como muita gente é gananciosa, acaba caindo nessa conversa.

Se no meio do caminho você resolver resgatar o valor aplicado nesses títulos, você perde parte do dinheiro. Se esperar até o vencimento do título, vai ganhar menos do que a inflação, o que é a mesma coisa que perder dinheiro.

A "vantagem" desse produto acaba sendo esse tal de sorteio. Mas a sua Liberdade Financeira não pode depender da sorte!

E até hoje não conheço ninguém que foi sorteado...

6 - "Investir" na Poupança

A Caderneta de Poupança é um bom lugar para deixar o dinheiro que você precisará dentro de um período de 30 dias, no máximo.

Nunca use a poupança como se fosse um investimento.

Em determinados casos a poupança pode ter rendimento inferior à inflação.

E isso significa perder dinheiro.

7 - Investir em Fundos (de renda fixa, multimercado, ou de ações)

Existem inúmeros fundos de investimento sendo ofertados pelas corretoras e bancos.

Não podemos ser injustos: até existem alguns fundos com bom desempenho. Mas no geral, não vale o investimento.

Por exemplo, um fundo que rende 110% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário: é taxa de juro básica diária que os bancos emprestam dinheiro entre si) e possui taxa de administração anual é um investimento menos rentável que o Tesouro Selic, por exemplo, que rende 100% do CDI.

O primeiro motivo é a taxa de administração anual, que incide sobre todo montante aplicado. O segundo é o modelo de tributação dos fundos de investimento, chamado de "come-cotas", em que você paga o Imposto de Renda sobre o seu lucro a cada 6 meses, o que acaba por tirar poder dos juros compostos sobre a sua aplicação.

Fundos de renda variável ou multimercado podem cobrar também taxa de performance em situações que o fundo tem melhor desempenho.

Então fique atento, por mais que alguns fundos tenham taxas de retorno atrativas, há fatores que devem ser levados em consideração: o modelo de tributação de come-cotas, as taxas de performance e as taxas de administração!



8 - Seguir dicas de Terceiros

Se você quiser ter uma aposentadoria confortável, não pode seguir dicas de terceiros.

Entenda-se por terceiros aquelas pessoas que possuem conflito de interesses com você, como o gerente do banco e o assessor da corretora, que muitas vezes pode estimular você a ficar girando o seu patrimônio.

Outro tipo de pessoa que você deve tomar cuidado são os apostadores de bolsa. Nunca confie em alguém que faz diz que a ação A vai disparar, a ação B vai despencar, etc. Primeiro, você deve ter visão de longo prazo, então para quem pensa assim nada muda se uma ação dispara. Segundo, você deve ter senso crítico sobre os seus investimentos e basear ele em fundamentos.

Cuide também com as dicas que você recebe do seu vizinho, do seu cunhado, do seu colega de trabalho. Certifique-se de que você está falando com alguém que leva os investimentos a sério.

Vou repetir uma frase que é mantra para o investidor inteligente: ninguém vai cuidar do seu dinheiro melhor do que você! Então fique atento a isso se quiser ter uma aposentadoria confortável.

9 - Especular no Mercado de Ações

Especular no mercado de ações é ficar vidrado nos preços das ações, esperando a "baixa" para comprar e a "alta" para vender, independente do que esteja se comprando. É como comprar lixo barato e tentar vender caro.

Não recomendo que faça isso com o seu dinheiro.

Quem investe dessa forma acaba sendo levado por emoções, fazendo exatamente o contrário do que se propuseram, ou seja, compram na alta ao verem o preço de uma ação subindo e vendem na baixa, pois se apavoram com o preço caindo.

Esse tipo de mentalidade traumatiza muita gente, pois costuma dar errado na maioria das vezes, principalmente com especuladores de primeira viagem.



10 - Investir somente em Renda Fixa

Esse é um tópico polêmico.

Não há nada de errado em investir na renda fixa, mas investir somente nela certamente irá retardar a sua Liberdade Financeira, já que o potencial de ganhos é pequeno.

O medo de investir em ações é fruto da cultura especuladora da maioria das pessoas que entram na Bolsa. E agindo como a maioria, você vai ter os mesmo resultados da maioria. Logo, a solução para esse problema é investir em ações da maneira correta, como os investidores bem-sucedidos fazem.

Fora isso, quando você investe na renda fixa, você não está investindo no circuito produtivo do país, está apenas emprestando dinheiro em troca de juros, o que é uma espécie de agiotagem.

11 - Não ter um planejamento financeiro

Como diz o ditado, um objetivo sem um plano é apenas um desejo.

Um recente estudo sobre finanças pessoais mostrou que 87,4% das pessoas que fazem planejamentos financeiros de longo prazo, se dizem viver em uma situação financeira boa ou excelente. No entanto, das pessoas que não fazem esse planejamento, apenas 18,9% diz estar com a situação financeira boa ou excelente.

Dito isso, você deve concordar comigo que elaborar um planejamento para a sua Liberdade Financeira vai aumentar muito as chances de você ter uma situação financeira boa ou excelente, certo?

Uma vida financeiramente bem-sucedida começa por um planejamento vencedor.


12 - Ser ganancioso na Bolsa de Valores

Às vezes erramos nas nossas decisões de investimento, mesmo utilizando o método correto. E está tudo bem.

Se você souber investir em ações do jeito certo, você vai ganhar na grande maioria das vezes.

O problema é que algumas pessoas começam a acreditar que possuem "feeling" para a bolsa de valores, e acabam insistindo em investimentos que não são mais tão bons como foram em outro momento.

O investidor de sucesso investe de forma simples e reconhece seus erros rapidamente. Dessa forma, ele sabe a hora de sair de um investimento que se tornou ruim sem ter de incorrer em prejuízos.



13 - Não ter uma reserva de emergência

Imprevistos acontecem. Fazem parte do nosso dia a dia.

E alguns imprevistos podem custar caro!

Por isso, é sempre interessante possuir uma reserva de emergência. É um dinheiro que fica guardado somente para essa finalidade. O ideal é que esse dinheiro esteja em um investimento de liquidez imediata, isto é, que você possa resgatar assim que precisar.

Obviamente, como você não sabe quando terá de resgatar, não é recomendável que a sua reserva de emergência esteja em ações, para não ser obrigado a resgatar um bom investimento em um eventual momento de baixa do mercado. Para finalidade de reserva de emergência, tanto o Tesouro Direto quanto um CDB do banco que tenha uma taxa mais atrativa podem ser um bom negócio.

RECAPITULANDO...

Nesse artigo você descobriu as 13 coisas que você deve PARAR DE FAZER para não ter uma aposentadoria miserável.

Acredite: se você não possui nenhum desses hábitos, você está no caminho certo para alcançar a sua Liberdade Financeira e talvez até possa adiantar em alguns anos a sua aposentadoria!

Vamos recapitular então o que você NÃO deve fazer:

Não poupar dinheiro

Não buscar educação financeira

Depender apenas do INSS

Fazer uma Previdência Privada de Banco

Comprar Títulos de Capitalização

"Investir" na Poupança

Investir em Fundos (de Renda Fixa, Multimercado ou de Ações)

Seguir Dicas de Terceiros

Especular no Mercado de Ações

Investir somente em Renda Fixa

Não ter um planejamento financeiro

Ser ganancioso na Bolsa de Valores

Não ter um Reserva de Emergência


AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide