AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





Revista O Empresário / Número 118 · Abril de 2008



Ameaçados de morte pelo crime organizado, juízes federais rejeitam as sucessivas propostas para que sejam transferidos de cidade, ou removidos. “Isso não resolve o problema e seria um prêmio aos criminosos”, adverte o juiz federal Rubens Canuto Neto. Ele conta que o Tribunal Regional Federal (TRF) da 5 Região, com sede no Recife, ofereceu lotação provisória a ele, quando soube do plano para matá-lo. “A proposta foi rechaçada na hora”, diz Canuto. Ele explica que, se saísse de seu foro em Arapiraca, os criminosos seriam vitoriosos e toda a pressão cairia sobre o seu substituto.

“Transferir o juiz é humilhante”, afirma Odilon de Oliveira, que teve de sair de Ponta Porã para Campo Grande. Apesar da mudança, Odilon concentra sob a sua competência todos os processos envolvendo lavagem de dinheiro no Mato Grosso do Sul, inclusive os de Ponta Porã. Ele disse que já pediram a sua remoção para outro Estado, alegando altos custos na sua proteção, que envolve 12 agentes da Polícia Federal e dois carros blindados. Odilon não pode sair de casa nem ir à academia. “Tenho praticamente um quartel dentro de casa”, afirma.

Para o juiz federal Julier Sebastião da Silva, a criação da Polícia Judiciária daria mais funcionalidade para a proteção dos juízes.

“Hoje, quando precisamos de segurança, temos que mendigá-la junto ao Executivo”, lamenta.

Canuto também entende que é essencial um corpo de segurança qualificado dentro do Judiciário. “Os foros, hoje, não têm a mínima condição de segurança”.

O presidente da Ajufe, Walter Nunes, conta que estão aumentanto também os casos de “ameaças dissimuladas” a juízes. São casos de pneus furados, assaltos às residências do magistrados até o envio de dossiês, com depósitos ilegais na conta dos juízes e a descrição de supostas amantes. “Fazem um verdadeiro ataque contra os juízes. A estratégia é desestabilizar o julgador”.
Administração & Política
» Eleição AEC/CDL
» Cuidado com os ladrões
» Sincatos vencem com luta
» Seu lucro corre perigo
» Exemplo
» Planeje para crescer
Colaboradores
» O profundo amor de Deus por mim
Comportamento
» As escolhas de uma vida
» Dez pedidos de um cão
» A conta corrente da saúde
» A pipoca e você
» O estilo de vida define a sua saúde
Comunicação & Internet
» Nunca abra estes e-mails
» Aprenda a colocar vídeos no You Tube
» Oráculo dos internautas
» Receita Federal ajuda os contadores
Empreendedorismo
» Quem trablha na sua empresa
» Acredite se quiser
» Conselheiras
» Cuidado com as dívidas
Finanças
» Classe média se endivida no cartão
» Governo quer atrasar devolução
» Até que as dívidas os separem
Humor & Curiosidades
» Ditados
» Mensagens nas lápides
» Politicamente correto
» Diálogos premiados
Jurisprudência & Segurança
» Viagem segura
» Um juiz não foge à luta
» Casamento só com separação de bens depois dos 70 anos
» Sufoco
Mercado de Trabalho & Educação
» Só 6 meses de experiência
» Você está despedido
» Recolocação vs. Negócio próprio
Rapidinhas do Leôncio
» Notas de abril
AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide