AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
comunicação



Publicado em: 16/09/2018

Com a Lava-Jato, o brasileiro cada vez mais é apresentado à língua da Justiça, cheia de lugares-comuns e frases feitas.

Toda hora, um juiz ou um advogado fala em “devido processo legal”, “amplo direito de defesa” ou “rigoroso inquérito”.

Isso se repete à exaustão, embora palavras como “devido” (necessário, indispensável, essencial), “amplo” (total, completo, indispensável) e “rigoroso” (severo, profundo, exaustivo) tenham tantos outros sinônimos.

Aliás, estes tipos de clichês fazem a festa do Humberto Werneck, que coleciona há quase 50 anos estas frases que viraram livro (“O pai dos burros”).

Lá, constam 5.400 pérolas do tipo:

“abraçar uma causa”, “acreditar piamente”, “âmago da questão”, “acidentes de grandes proporções”, “agressão gratuita”, “responder à altura”, “ambição desmedida”, “amigos de longa data”, “digna de aplausos”, “batalhador incansável”, “estupidamente gelado”, “abrir seu coração”, “dar o ar de sua graça”, “em plena luz do dia”, “massa humana”, “notícia alvissareira”, “sol inclemente” e “sorriso amarelo”.


notícias da mídia Notícias veiculadas na mídia impressa

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide