AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva


VOLTAR
Conselhos Úteis



Publicado em: 12/01/2019

Salada faz bem à saúde, como todo mundo sabe. Desde que você tome cuidado com as outras opções do cardápio, pode confiar que está cuidando bem de seu corpo se acompanhar tudo com uma salada de folhas verdes.

Mas nem todas as folhas verdes são iguais; algumas possuem valor nutricional muito maior que outras. O que você escolher no bufê de saladas pode fazer toda a diferença entre satisfazer totalmente sua dose diária recomendada de nutrientes ou apenas contribuir para ela.

Classificamos 8 folhas verdes comumente consumidas em saladas em ordem crescente de valor nutricional, com base na lista de frutas e verduras do Centro de Controle de Doenças dos EUA (CDC) .

Para determinar a densidade nutricional dessas folhas verdes, o CDC analisou em que grau elas satisfazem a necessidade diária média que as pessoas têm de 17 nutrientes importantes: potássio, fibras, proteínas, cálcio, ferro, tiamina, riboflavina, niacina, ácido fólico, zinco e as vitaminas A, B6, B12, C, D, E e K.

O centro deu um escore específico de densidade nutricional a cada folha, numa escala de zero a 100, calculando em que grau 100 gramas de cada tipo de folha incluem as quantidades diárias recomendadas de cada um desses 17 nutrientes, com base em uma dieta de 2.000 calorias por dia.

O resultado:



8 - Alface americana

Escore de Densidade Nutricional: 18,28

Coitadinha da alface americana, não tem boa fama. Entretanto, mesmo ocupando o último lugar da lista, ela ainda contém fibras, potássio, zinco, cálcio, ácido fólico, vitamina A e vitamina K. Além disso tem alto teor de água, algo que é sempre positivo.



7 - Rúcula

Escore de Densidade Nutricional: 37,65

A rúcula tem a vantagem de possuir fitoquímicos, capazes de inibir o desenvolvimento de certos tipos de câncer. Nada mau para uma salada verde.


6 - Couve

Escore de Densidade Nutricional: 49,07

Uma xícara de couve fornece todas as vitaminas A, C e K que precisamos em um dia. De quebra, possui três gramas de proteína.


5 - Alface romana

Escore de Densidade Nutricional: 63,48

A alface romana é uma ótima fonte de vitaminas K e A, além de ácido fólico.


4 - Alface crespa


Escore de Densidade Nutricional: 70,73

A alface é rica em potássio e vitaminas A e K.


3 - Chicória


Escore de Densidade Nutricional: 73,36

A chicória é uma boa fonte de tiamina, niacina e zinco.


2 - Espinafre

Escore de Densidade Nutricional: 86,43

O espinafre é carregado de nutrientes. Além de vitamina K e vitamina A, possui manganês e ácido fólico.


1 - Agrião

Escore de Densidade Nutricional: 100

O agrião contém 106% de nossa quantidade recomendada diária de vitamina K, 22% de vitamina A e 24% de vitamina C. Além disso, é rico em cálcio, ferro e magnésio.

Conhecimento é poder. Vá preparar uma salada!


Notícias da mídia Exercícios para fazer na cama ao acordar Quando o despertador toca de manhã sempre bate a preguiça de levantar da cama. Mais 10 minutos de soneca e você já está atrasada, não é? Ao longo do dia, o pescoço começa a doer, suas costas também e você já está na terceira xícara de café. Um jeito muito fácil de evitar todos esses problemas é manter uma pequena rotina de exercícios logo que você acorda. Respiração e alongamento ajudam a despertar e dar mais energia, sabia? "Estudos mostram que ao despertarmos pela manhã nossos músculos ficam 10% mais curtos e rígidos devido ao repouso prolongado da noite. O alongamento matinal é de grande importância, além de relaxar a musculatura e o corpo, previne dores que ao longo do dia podem ser sentidas", explica a fisioterapeuta e instrutora de pilates do Fit Body Pilates SPa&Estética, Mariana Novaes. São 6 exercícios bem simples que levam só 5 minutos: stretching 1. Deitada na cama retire seu travesseiro e alinhe bem sua coluna. Estique os braços e as pernas, de modo que seu corpo fique todo esticado. Entrelace suas mãos e estique-as para cima, fazendo uma tração na coluna. Repita esse movimento duas vezes por 20 segundos. 2. Deitada, dobre seus joelhos e leve em direção ao tronco, como se fosse abraçar as pernas. Mantenha por 20 segundos nessa posição e depois repita por mais uma vez. 3. Deitada, apoie seus pés na cama, flexione um pouco seu quadril e leve-o para o lado, deixando sua cabeça para o lado oposto do quadril. (Se levou o quadril para o lado direto, leve a cabeça para o lado esquerdo) Abra bem seus braços e relaxe. Faça dos dois lados, mantendo por 20 segundos na posição de alongamento e repetindo duas vezes. 4. Deitada, apoie os pés na cama unindo-os calcanhar com calcanhar e abra as pernas, fazendo a famosa posição da borboleta. Mantenha na postura de alongamento durante 20 segundos repetindo 2 vezes o movimento. 5. Sentada com o corpo ereto, pegue o braço direito e leve em direção a cabeça, puxando-a para o lado direito. Você irá sentir alongar a região do músculo trapézio e a região cervical do lado contralateral. Repita esse movimento por duas vezes mantendo por 20 segundos e repita no outro lado. 6. Todos os alongamentos devem ser associados a uma respiração lenta e profunda, inspirando o ar pelo nariz e expirando pela boca auxiliando o maior relaxamento muscular. A professora e proprietária da Personal Work, Adriane Lafemina explica como fazer o exercício: Deite com as pernas flexionadas, plantas dos pés na cama, mãos abaixo do umbigo e com a ponta dos dedos médios se tocando (se quiser junte os joelhos). Feche os olhos, inspire pelo nariz, sentindo o abdômen inchar: imagine um balão no abdômen, que se enche de ar na inspiração. Expire pelo nariz até o abdômen murchar completamente. Sinta que ao expirar o abdômen se contrai para dentro. Não force sua respiração, nem muito rápida, nem muito profunda, apenas observe seu ritmo. Experimente deixar sua expiração um pouco mais lenta que a inspiração! Faça o exercício de três a cinco minutos.

AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide