AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





VOLTAR
Auto-Ajuda



Publicado em: 21/07/2015

É preciso ficar de olhos fechados? E se me der coceira em alguma parte do corpo? Posso pensar em qualquer coisa? Preciso ficar em silêncio?

Com tanta informação disponível sobre os benefícios da meditação e dicas de como meditar, você pode ter a sensação de estar olhando para um corredor interminável com opções em excesso e nenhuma ideia de como começar.

Até responder às dúvidas ou buscar o método mais adequado provavelmente você já desistiu de conquistar uma mente mais tranquila.

Mas Sandro Bosco, um dos especialistas mais renomados em ioga e meditação do Brasil, quer desmistificar a ideia de que a meditação é algo complicado. Em seu novo livro Meditação para quem acha que não consegue meditar (Matrix, 2015), ele responde a 49 dúvidas que todo iniciante tem.

"Para começar a meditar, geralmente você ouve o seguinte comando: 'Sente-se em posição confortável, com a coluna ereta, em seguida respire fundo três vezes, depois feche os olhos e observe o movimento da respiração'. Pergunto a você: existe algo mais simples que isso?", diz Bosco na introdução do livro.

Para você que quer começar, eis oito respostas para dúvidas que quem medita pela primeira vez sempre tem:

1. Qual a diferença entre a meditação e um relaxamento?

Toda noite você relaxa ao dormir, certo? Mas não medita enquanto dorme. Quando você está relaxando, ainda está pensando. "A meditação é um tipo de atividade mental diferente dos padrões habituais dos pensamentos", Sandro afirma. Para quem está começando, a ideia é se concentrar em aprender que é um momento para observar seus pensamentos e respirar de forma correta. Sente-se para meditar, siga as orientações, e aceite como você está naquele momento. Você pode escolher horário, local e posição que for melhor para começar o exercício. 20 minutos por dia é o ideal.

2. O que fazer se não consigo ficar parado (a)?



A solução é escolher um local calmo e, de preferência, em que você se sinta à vontade. Se não conseguir ficar em uma posição por um tempo contínuo, tente deitar e observar a respiração, mesmo que por poucos minutos. E a partir daí, é possível escolher meditar. Você consegue ficar parado porque já faz isso quando dorme por longas horas todas as noites ou quando precisa trabalhar, certo? E por que não se concentrar em meditar? Ah! Você não precisa fazer a "pinça" com os dedos ou tentar uma posição mais sofisticada. Basta se sentir confortável.

3. E se eu tiver coceira?


Segundo Sandro, a coceira está relacionada com a inquietação da mente. "Ela fica evidente quando nos sentamos para meditar e nos propomos a ficar com o corpo imóvel", afirma. E, por isso, há duas opções: não coçar, e focar a sua atenção em outro ponto, ou fazer um movimento mínimo para coçar e manter a consciência dentro deste movimento durante a meditação. Usar a roupa adequada contribui para que esse tipo de interferência não ocorra.

4. E se eu dormir?


Conforme a maneira com que você se senta para meditar, você respira melhor ou não, e isso pode provocar sonolência, diz Sandro. Para que isso não aconteça, escolha sentar com a coluna ereta. Isso melhora a respiração, o cérebro recebe bastante oxigênio e você fica bem desperto (a).

5. Posso ouvir música ou outros sons durante a meditação?



Para quem está começando, a música pode ser uma aliada. Isso, se for utilizada como som de fundo para que seus ouvidos foquem nela e não em outros ruídos ao redor. A música não deve ativar emoções, já que isso pode afastar você do caminho para o silêncio e o relaxamento interior. Opte por músicas calmas, lentas, instrumentais e que lembram sons da natureza.

6. É normal sentir medo?



Sim! Acontece e é positivo saber como enfrentá-lo. Já que não somos 'treinados' a olharmos para nosso universo interno diariamente, o medo surge, e a mente tenta ampliá-lo à medida que isso acontece. Mas entrar em contato com a respiração durante a meditação, prestar atenção nela e observá-la tende a dissipar o temor gradativamente — já que o foco do pensamento muda para a meditação. Se o medo persistir, é indicado procurar a ajuda de um profissional.

7. Aplicativos realmente funcionam?



Sim. Para quem está começando, os aplicativos gratuitos disponíveis tanto em Android quando para iOS são muito úteis.

O Headspace é um ótimo aliado. Basta colocar os fones de ouvido e acompanhar as instruções por dez minutos. O aplicativo torna a prática acessível, com instruções fáceis de seguir e vídeos simpáticos que explicam o que acontece quando meditamos.

Já o Calm ajuda a tornar a meditação mais fácil, com uma seleção de sessões guiadas que variam de dois a 20 minutos. Ele também inclui dez "cenas de natureza imersiva" para ajudar no processo de relaxamento.

8. Ao final, devo anotar minhas sensações?



Não é algo obrigatório, mas pode ajudar você a assimilar as sensações durante a meditação e observar quais foram os efeitos na sua mente e corpo um tempo depois. Sandro indica que, ao terminar, você pode anotar em um caderno o que sentiu e experimentou, sem julgamentos ou filtros. Depois de uma semana ou dez dias, leia as suas experiências e compare com o momento que está vivendo: obteve melhoras? Ainda existe algo que precisa ser mudado? Reconheça qualquer tipo de progresso.





AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide